A FAVELIDADE QUE NASCE DAS TROMPAS:CONSIDERAÇÕES ACERCA DAS EXPERIÊNCIAS EPISTÊMICAS DE UMA PESQUISA/INTERVENÇÃO FAVELADA

Raphael Ribeiro Da Silva

Resumo


Este ensaio, se propõe, ao seu modo e sua maneira afetiva e biográfica estruturante, contribuir para toda a comunidade acadêmica que ainda se pega na dificuldade de transitar entre os conceitos que a academia nos fornece, a estrutura de sentimentos que carregamos das nossas vivências e nossas subjetividades dissidentes.  O caminho percorrido por este ensaio  parte de um corpo feminino,onde é acionado como operador teórico as trompas de falópio para pensar a gestação de certas instâncias políticas que não vingam em face da geopolítica científica-metodológica-tradicional que estrutura as pesquisas acadêmicas. O que se espera ao fim deste ensaio é que as questões que aqui se circunscrevem possam contribuir para uma intervenção crítica, tendo em vistas as problemáticas que circunscrevem as pesquisas acadêmicas, com uma contribuição especial aquelas que partem de um interesse acerca da temática favelada.

Palavras-chave


favela; cultura; geopolítica do conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


BARON, L. Escrever a cidade: diário político da presença. Tese (doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Letras, 2015. 237 f.

CARRASCOSA, D. Pós- colonialidade, pós-escravismo, bioficção e con(tra)temporaneidade. In: Estudos de Literatura Contemporânea, n. 44, p.105-124, jul/dez de 2014.

FREITAS, J. H. O arco e a arkhé: ensaios de literatura e cultura. Salvador: Ogum’s Toques Negros, 2016.

GOMES, R. C. Herança, espectros, resíduos: imaginar a nação em tempos heterogêneos. In: RESENDE, B. e FINAZZI-AGRÒ (org.). Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2014.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

HALL, S. Cultura e Representação. Organização e revisão técnica: Arthur Ituassu. Tradução de Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Apicuri, 2016.

____________. Raça, o significante flutuante. Tradução de Liv Sovik e colaboração de Katia Santos. Revista Z cultural (UFRJ), v. no. 3, p. ano 7/3, 2017.

HOLLANDA, H. B de. Cultura como recurso. Salvador: Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, Fundação Pedro Calmon, 2012.

JESUS, C. M. de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. 3. ed., São Paulo: Ediouro, 1976.

MIGNOLO, W. Os esplendores e as misérias da ‘ciência’: Colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistémica, in Boaventura de Sousa Santos (org.), Conhecimento prudente para uma vida decente: Um discurso sobre as ciências revistado. Porto: Edições Afrontamento, 2003.

OLIVEIRA, E. D. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales: Buenos Aires, 2000.

RIBEIRO, D. Quem tem medo do feminismo negro?. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018.

SARLO, B. A cidade vista: mercadorias e cultura urbana. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2014 (Coleção Cidades).

SILVA, R. R. Modos de ser Realengo: espaço-corpo-arte num memorial afetivo. Monografia (Graduação) - Universidade Federal Fluminense, Departamento de Estudos Culturais e Mídia, 2017. 85 f.

_________________. Uma literatura nas trompas: entorno de algumas memórias interpretativas. In: 7° Seminário Letras Expandidas - corpo & política: modos de ler. Rio de Janeiro: PUC RJ, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).