COERÊNCIA EM TEXTO NARRATIVO: UMA INTERFACE ENTRE A PSICOLINGUÍSTICA E PACIENTES PSIQUIÁTRICOS INTERNADOS

Patricia de Andrade Neves, Caroline Bernardes Borges, Vera Wannmacher Pereira

Resumo


Atividades que envolvam a leitura estão intimamente ligadas ao combate às patologias emocionais que atingem as pessoas, já que por meio delas há a contribuição para o bem-estar físico e mental (SEITZ, 2006). Já os textos que possuem sequências narrativas dominantes (ADAM, 2011) podem ser trabalhados com pacientes psiquiátricos internados, pois segundo Onocko-Campos et al. (2013), os textos narrativos estão atrelados à noção de temporalidade, que envolve personagens e enredo, ocorrendo dessa forma a verossimilhança. Por sua vez, a crônica é considerada um gênero de maior aproximação com o leitor, já que possui uma linguagem mais natural e se utiliza do humor (CÂNDIDO, 1992). Sendo assim, o objetivo desta pesquisa é a elaboração e a análise de uma atividade de leitura do gênero crônica, com foco na compreensão leitora e na consciência textual, no que se refere à coerência – manutenção e progressão temática, sugerida a pacientes psiquiátricos internados. Por meio das percepções da atividade pelo grupo de profissionais de saúde, que atuam na internação, e dos profissionais da Psicolinguística é mostrada a viabilidade, os novos direcionamentos linguísticos e a boa aceitação da atividade sugerida na promoção do bem-estar físico e mental de pacientes psiquiátricos internados. 

 


Palavras-chave


Atividade de Leitura; Psicolinguística; Pacientes Psiquiátricos Internados.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, J. A Línguística Textual. São Paulo: Cortez, 2011.

ALMEIDA, W. C. de. Além da catarse, além da integração, a catarse de integração. Rev. bras. Psicodrama, São Paulo, v. 18, n. 2, 2010. Disponível em: . Acesso em 05 jan. 2019.

ALVES, M. H. H. A aplicação da Biblioterapia no processo de reintegração social. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 15, n.1/2, p.54-61, jan/jun. 1982.

ANTONELLO, I. C. F. Contar histórias e seu valor terapêutico. In: KETZER, S. M.; AMODEU, M. T.; SISTO, C. (Orgs.). No mundo hospitalar, história também tem lugar. 1ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2013, pp. 63-70.

BALCUNAS, Valentina. La logoterapia y La biblioterapia: descubriendo el sentido de la vida através de La lectura. Montevideo: Instituto de Logoterapia del Uruguay “Viktor E. Frankl”, 2008.

CALDIN, C. F. A leitura como função terapêutica: biblioterapia. Encontros de n. 12, dez. 2001. Disponível em: . Acesso em 06 jan. 2019.

CÂNDIDO et al., Â. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas, SP: Editora da UNICAMP; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992.

CHAROLLES, M. Introduction aux problèmes de la cohérence des textes. Paris: Langue Française, 1978.

FERREIRA, S.P.A; DIAS, M.B.B: A leitura, a produção de sentidos e o processo inferencial. Psicologia em Estudo, Maringá. v.9, n.3, p. 439-488, set. /dez. 2004. Disponível em: . Acesso em 02 jan. 2019.

GLEITMAN, H.; FRIDLUND, A. J.; REISBERG, D. Psicologia. 6ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

GOMBERT, J. Metalinguistic development. Hertfordshire: Harverster Wheatsheaf, 1992.

GOODMAN, K. S. Um jogo psicolinguístico de adivinhação. In: SINGER, H.; RUDDELL, R. B. Theoretical models and processes of reading. 2. ed. Newark: International Reading Association, 1976.

HASSE, M. Biblioterapia como texto: análise interpretativa do processo biblioterapêutico. 153f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Linguagens) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2004.

KATO, M. O aprendizado da leitura. São Paulo, Editora Martins Fontes, 1985.

KLEIMAN, Angela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, 1992.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

MACHADO, A. M. Silenciosa Algazarra: reflexões sobre livros e práticas de leitura.

São Paulo: Companhia das letras, 2011.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucena, 2003, p. 20-36

MENDONÇA, T. C. P. de. As oficinas na saúde mental: relato de uma experiência na internação. Psicologia Ciência e Profissão, n.4, p. 626-635. 2005.

NEVES, P. A. Compreensão leitora e consciência textual: um estudo sobre uma proposta de atividades para pacientes psiquiátricos internados. 128 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

ONOCKO-CAMPOS, R. T.; PALOMBINI, A. L.; LEAL, E.; SERPA JUNIOR, O. D.; BACCARI, I. O. P.; FERRER, A. L.; DIAZ, A. G.; & XAVIER, M. A. Z. Narrativas no estudo das práticas em saúde mental: contribuições das perspectivas de Paul Ricoeur, Walter Benjamim e da antropologia médica. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 2847-2857, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15

jan. 2019.

ORSINI, Maria Stella. O uso da literatura para fins terapêuticos: biblioterapia. Comunicação e Artes, n.11, p. 145-149, 1982.

PACHECO et al., M. A. Aspectos do funcionamento de uma unidade de internação psiquiátrica de um hospital geral. Rev. psiquiatria. Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v.25, supl.1, pp. 106-114, 2003. Disponível em: . Acesso em 10 jan. 2019.

PEREIRA, V. W. Arrisque-se... faça seu jogo. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 47-63, 2002.

PEREIRA, V. W. & CABRAL, L. S. Compreensão de textos e consciência textual: caminhos para o ensino nos anos iniciais. Florianópolis: Insular, 2012.

QUAKNIN, M. Biblioterapia. Trad. de Nicolás Niymi Campanário. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

SANTANA, J. C. B. A visão pediátrica sobre o projeto de literatura infantil no hospital São Lucas da PUCRS. In: KETZER, S.M. & AMODEO, M. T. (Orgs.). Histórias para ouvir, criar e contar: inventar ajuda a curar. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 20-22, 2007.

SEITZ, E. M. Biblioterapia: uma experiência com pacientes internados em clínica médica. Florianópolis: ACB, 2006.

SILVA, M. B. C. Contar histórias uma arte sem idade. 7. ed. São Paulo: Ática, 1997.

SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender a ler. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda., 2003.

SQUIRE, C. Reading narratives. Group Analysis, 38(1), 91-107, 2005.

VAN DIJK, T. A. News as discourse. Hillsdal, NJ: Erlbaum, 1988.

VAN DIJK, T. A. La ciencia del texto: um enfoque interdisciplinario. Barcelona/Buenos Aires: Ediciones Paidós, 2003.

VAN DIJK, T. A. Discourse, Context and Cognition. Discourse Studies. Vol 8(1): 159-177. London: Sage, 2006.

VAN DIJK, T. A. Discurso e Poder. São Paulo: Contexto, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).