ANÁLISE A RESPEITO DA ASSEMBLEIA DO BELLO SEXO PUBLICADA NO PERIÓDICO A MARMOTA NA CORTE (1849-1852)

Laura Junqueira de Mello Reis

Resumo


Este artigo pretende analisar o periódico A Marmota na Corte (1849-1852), compreendendo-o como um jornal destinado ao público feminino, e que vinha ganhando notoriedade. Ao longo de suas edições foi tornando-se um relevante meio de formação de opinião do bello sexo, com textos escritos em sua maioria por homens, mas também com consideráveis publicações redigidas por mulheres. Em meio a vários artigos, destacamos a publicação intitulada Assembleia do Bello Sexo, datada de 22/01/1850. Trata-se de um artigo muito singular, no qual encontramos um interessante diálogo entre várias mulheres que compunham uma hipotética assembleia, a fim de decidirem qual seria o destino de um marido infiel, que havia se relacionado com uma mulher negra. O objetivo deste trabalho é compreender a representação em torno da noção de traição e o aspecto racial que margeava o juízo de valores daquelas senhoras. Por fim, acreditamos que tais discussões, por mais que não se encontrassem com frequência nas páginas dos jornais, estavam presentes na sociedade oitocentista, e são reveladores de práticas e valores representativos do universo feminino da época.

Palavras-chave


Assembleia do Bello Sexo; A Marmota na Corte; Imprensa feminina; Século XIX.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, C. M. M. Onda Negra Medo Branco. O negro no Imaginário das Elites Século XIX. São Paulo: Annablume, 2004.

BLAKE, A. V. A. S. Diccionario Bibliographico Brasileiro. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1970.

BUITONI, D. Imprensa Feminina. São Paulo: Ed. Ática, 1986.

DARNTON, R. O beijo de Lamourette. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

DUARTE, C. L. Imprensa feminina e feminista no Brasil século XIX. 1.ed. dicionário ilustrado. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008. P. 58.

GRAHAM, S. L. O impasse da escravatura: prostitutas escravas, suas senhoras e a lei brasileira de 1871. Acervo. Revista do Arquivo Nacional-Estudos de gênero, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1-2, p. 53-66, jan./dez. 1996.

MOREL, M. Imprensa e escravidão no século XIX. IN: LUSTOSA, I. (org.). Imprensa, história e literatura. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2008, p. 75-82.

MOREL e BARROS, M. e M. M. de. Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: DPeA, 2003.

PASAVENTO, S. J. Fronteiras da ficção: diálogos da história com a literatura. Revista de História das Ideias. Vl 21. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2000.

PASAVENTO, S. J. História e História Cultural. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

PINTO, L. M. da S. Diccionario da Lingua Brasileira por Luiz Maria da Silva Pinto, natural da Provincia de Goyaz. Lisboa: Typographia de Silva, 1832.

SCOTT, J. Gênero, uma categoria útil para análise histórica. Revista Educação e Realidade. Porto Alegre, vol. 20, n 2, jul/dez. 1995.

SODRÉ, N. W. A História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1978.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).