CICATRIZES DA COLONIZAÇÃO: UMA ANÁLISE DE NÓS MATAMOS O CÃO-TINHOSO, DE LUÍS BERNARDO HONWANA

Zidelmar Alves Santos

Resumo


Este trabalho tem como objetivo refletir sobre a obra Nós matamos o cão-tinhoso, livro de contos de autoria do escritor moçambicano Luís Bernardo Honwana (2014). A obra, publicada no ano de 1964, surgiu no ano em que estourou a luta pela independência de Moçambique da opressão colonial portuguesa. O racismo, a violência contra a mulher, o desrespeito ao idoso e a segregação promovida pela colonização são alguns dos temas abordados nos setes contos que compõem a obra. Os contos de Honwana, dessa forma, denunciavam as mazelas da colonização, despertando no povo moçambicano um sentimento anticolonial em um cenário de conflitos que duraram cerca de dez anos. Como referencial teórico, os trabalhos de Albert Memmi (2007) e Fantz Fannon (1968) orientam a leitura e percepção acerca da problemática da colonização, visto que esses pensadores também viveram em países subjugados por esse sistema, escrevendo suas obras a partir de suas próprias experiências de vida nessas colônias.

Palavras-chave


Moçambique; Estudos pós-coloniais; Luís Bernardo Honwana

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).