A LÍNGUA DE SINAIS ESTABELECENDO UMA INTERSECÇÃO ENTRE A LINGUÍSTICA E O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS

Wolney Gomes Almeida, Jeremias Barreto Souza

Resumo


Pensar a inclusão de estudantes surdos, seja na escola básica ou no ensino superior, é uma realidade que desafia as instituições e os profissionais da educação. A formação de professores no campo da educação inclusiva prevê o atendimento de demandas específicas que contemplem as características linguísticas desses estudantes no processo de ensino e aprendizagem. Este artigo objetiva refletir sobre a importância da formação docente no contexto da educação de/para surdos, reconhecendo a relevância da instrumentalidade profissional no campo da comunicação linguística entre estudantes e docentes, viabilizando a intersecção entre o campo da linguagem e as práticas de ensino de matemática para surdos. Desenhando-se a partir de um estudo bibliográfico e com base em uma abordagem qualitativa frente às análises apontadas, o artigo passeia pelas correntes teóricas por uma defesa de políticas linguísticas para o reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais (Libras) enquanto língua de instrução para surdos, defesa amparada por Skliar (1998, 2003), Lacerda (2000), Quadros (2003), bem como as discussões que remetem às praticas e formação docente no contexto do paradigma da inclusão, apoiando-se em Mantoam (1997), Jannuzzi (1995), Stainback (1999), dentre outros. Assim, a reflexão proposta remete à defesa de uma educação com práticas bilíngues para os surdos, de modo que, as instituições sejam pensadas a partir do parâmetro linguístico destes estudantes, apresentando melhores possibilidades de construção de estratégias para que o surdo seja visto como sujeito de produção de sentidos.

 


Palavras-chave


LSB; Inclusão. Formação docente

Texto completo:

PDF

Referências


ASÍN, A. S.; LOS SANTOS, P. J. Cómo formar al professorado ante los alumnos que experimentan dificultades para aprender em la ESO. In: JORNADAS NACIONALES DE UNIVERSIDAD Y EDUCACION ESPECIAL, 15. Educación y Diversidad. Oviedo: Universidad de Oviedo, 1998.

CARNEIRO, K. T. A. Cultura surda na aprendizagem matemática: o som do silêncio em uma sala de recurso multifuncional. Dissertação (Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática) Universidade Federal do Pará, 2009.

BUENO, J. G. S. Crianças com Necessidades Educativas Especiais, Política Educacional e a Formação de Professores: generalistas ou especialistas? Revista Brasileira de Educação Especial, Piracicaba, v.3, n.5, p.7-25, set, 1999.

CARTOLANO, M. T. P. Formação do educador no curso de pedagogia. Cadernos Cedes, ano 19, n.46, p.29-40, set, 1998.

CHACON, M. C. M. Formação de Recursos Humanos em Educação Especial: Respostas das Universidades à Recomendação da Portaria Ministerial n º 1793 de 27/12/1994. 2001. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília.

DUARTE, M. C. A formação de Professores: problemática e perspectivas. In: Formação de Professores. Mesa redonda. Universidade do Ninho. p.1- 18, 1998.

FALCONI, E.R.M.; SILVA, N. A. S. Estratégias de trabalho para alunos com deficiência intelectual AEE: atendimento educacional especializado AEE. 2002. Disponível em: http://www.logistica-iec.com.br/Estrat%C3%A9gias%20pedag% C3%B3gicas% 20EE3. pdf. Acesso em: 14 maio 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996;

________ . A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51ª ed. São Paulo. Cortez, 2011.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Organizaçao e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GARRIDO, I. C. La apertura y flexibilidad organizativa. Pieza clave em la Respuensta ante alumnado com necesidades e intereses diversos. In: JORNADAS NACIONALES DE UNIVERSIDAD Y EDUCACION ESPECIAL, 15. Educación y Diversidad. Oviedo: Universidad de Oviedo, 1998.

GLAT, R. Capacitação de professores: pré-requisito para uma escola aberta à diversidade. CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, Foz do Iguaçu. Anais... Brasília: MEC, 1998.

JANNUZZI, G. Políticas Públicas e a Formação do Professor. CICLO DE DEBATES EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: EDUCAÇÃO PARA TODOS, Campinas, 1995.

KAMII, C. A criança e o número. Campinas: Papirus, 1990.

LACERDA, C. B. F.; GÓES, M. C. R. (Orgs.). Surdez: processos educativos e subjetividade. São Paulo: Lovise, 2000.

MANTOAN, M. T. E. (Org.). A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon, 1997.

O' BRIEN, J.; O' BRIEN, C. L. A inclusão como uma força para a renovação da escola. In: STAINBACK, S., STAINBACK W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

OLIVEIRA, J. S.de. A comunidade surda: perfil, barreiras e caminhos promissores no processo de ensino-aprendizagem em matemática. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciência e Matemática). Centro federal de educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – Cefet/RJ. Rio de Janeiro, 2005.

PERRENOUD, P. Formar professores em contextos sociais em mudança: prática reflexiva e participação crítica. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.12, p.5-19, nov/dez, 1999.

PERLIN, G. Identidades surdas. In: SKLIAR, Carlos. A Surdez: um olhar sobre a diferença. Porto Alegre: Mediação, 2013.

QUADROS, R. M. de. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. Revista Ponto de Vista, Florianópolis, n.5, p. 81-112, 2003.

SÁ. N. R. L. Cultura, poder e educação de surdos. São Paulo: Paulina, 2000.

SKLIAR, C. (Org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação. (Org.) Educação & exclusão: abordagens sócio-antropológicas em educação especial. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

SKLIAR, C. E se o outro não estivesse aí? Notas para uma pedagogia (improvável) da diferença. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

STAINBACK, W.; STAINBACK, S. Estruturando a Sala de Aula para Evitar Comportamentos Inadaptados. In: STAINBACK, S., STAINBACK W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1980.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).