INTERCULTURALIDADE E ENSINO DE INGLÊS

Márcio Carvalho Alonso

Resumo


Vivemos em uma sociedade marcada pela globalização e pela heterogeneidade dos indivíduos. A escola é um ambiente que recebe pessoas com referenciais culturais distintos, e identidades em “formação e transformação contínua” (HALL, 2005), logo precisa estar pronta para proporcionar a essas pessoas a oportunidade de quebra de paradigmas no que diz respeito ao relacionamento com o diferente. Diante disso, partindo de uma perspectiva de educação linguística que contemple “experiências de exploração, de análise, de observação crítica de pessoas, situações e ações” (MENDES, 2004, p. 157), o presente ensaio busca refletir sobre o lugar que o ensino-aprendizagem de Inglês como língua estrangeira ocupa na empreitada de levar os estudantes a se apropriarem criticamente de uma língua hegemônica, transcenderem o patamar de simples tolerância em relação ao outro, rumo ao questionamento sobre os mecanismos de produção da diferença (SILVA, 2005), e viabilizar o empoderamento de grupos minoritarizados que constituem a sala de aula.

Palavras-chave: Globalização; Diversidade; Interculturalidade, Ensino-aprendizagem de Inglês.

Palavras-chave


Globalização; Diversidade; Interculturalidade, Ensino-aprendizagem de Inglês.

Texto completo:

PDF

Referências


ALFRED, G.; BYRAM, M. Becoming an Intercultural Mediator: A Longitudinal Study of Residence Abroad. Journal of Multilingual and Multicultural Development, v. 23, n. 5, p. 339-352, ago. 2002.

CONVERCI, D. Americanization and the planetary spread of ethnic conflict: The

globalization trap. Disponível em:

. Acesso em: set. 2016.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Coord. trad. Izabel Magalhães. Brasília: Ed. UnB,

GIROUX, H. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

HALL, S. Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP &A, 2006.

KRAMSH, C. Context and culture in language teaching. New York: Oxford University Press, 1993.

KUMARAVADIVELU, B. A Linguística Aplicada na era da Globalização. In: MOITA

LOPES, L. P. da (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola

Editorial, 2008. p. 129-147.

OLIVEIRA, A. P. O desenvolvimento da Competência Comunicativa Intercultural no

ensino de inglês como L2. 2007. 237 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto

de Letras da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

PAUWELS, M. Civilisation des États-Unis. Paris: Hachette, 1997.

ROBERTSON, R. The three waves of globalization. New York: Zed Books, 2002.

MENDES, Edleise. Abordagem Comunicativa Intercultural (ACIN)- Uma proposta para

aprender e ensinar línguas no diálogo entre culturas. 2004. 378 f. Tese (Doutorado em

Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de

Campinas, Campinas, 2004.

SANTOS, M. Entrevista: Milton Santos. São Paulo, abr. 2006. Disponível em:

entrevista-milton-santos>. Acesso em 15 set. 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T.T.da (Org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, [2000] 2006, p. 73-102.

WALSH, C. La interculturalidad en la educación. Ministerio de Educación de Perú, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).