EDUCAÇÃO BILÍNGUE EM MOÇAMBIQUE: REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA OFICIAL E MATERNA NO ENSINO BÁSICO.

Lucas Rodrigues Soares da Conceicao

Resumo


A língua portuguesa está em constante crescimento no que tange ao interesse pelo seu aprendizado. Atualmente, é língua oficial de oito países pelo mundo, sendo eles: Angola, Cabo Verde, Guine Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Brasil e Portugal. Sendo que nesses locais há diferentes configurações linguísticas, como por exemplo, ser língua majoritária em Portugal e Brasil e língua segunda e não majoritária nos países africanos e asiáticos. Nesses dois últimos continentes, muito se discute sobre a necessidade da implementação de uma educação bilíngue para que tanto a língua materna como a língua oficial estejam presentes no dia a dia dos alunos tanto no contexto escolar, bem como nas situações de uso. Nesse aspecto, Moçambique já apresenta uma proposta em seu Plano Curricular Do Ensino Básico para uma educação bilíngue, destacando-se em relação aos demais países africanos lusófonos. Por conta disso, esse artigo centrará sua atenção em refletir como se configura a educação bilíngue em Moçambique e de que modo língua portuguesa e línguas maternas moçambicanas estão presentes na escola no âmbito da educação básica. Para isso, utilizaremos os aportes teóricos que abordem o conceito de língua oficial e nacional, políticas linguísticas, educação bilíngue e o ensino-aprendizagem de línguas em abordagem intercultural.

Palavras-chave


Língua; Educação;Bilingue; Moçambique

Texto completo:

PDF

Referências


FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e educação. Revista brasileira de educação. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação. 2003.

GONÇALVES, P.; DINIZ, M. J. Português no ensino primário: estratégias e exercícios. Maputo: INDE, 2004.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População de Moçambique. Disponível em: . Acesso em: 01/07/2016.

JOAQUIM, José Amilton. Educação Bilingue em Moçambique: Um estudo de caso, na Província de Gaza,centrado nas práticas pedagógicas do Ensino Básico. Portugal. 2013.

MACARINE, Ilídio Enoque Alfredo. Políticas lingüísticas e nacionalização do português em Moçambique. 2014. 207 p. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Culturas e Fronteiras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Foz do Iguaçu.

MEGALE, Antonieta Heyden. Bilingüismo e educação bilíngüe – discutindo conceitos. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL. V. 3, n. 5, agosto de 2005.

MENDES, Edleise. O português como língua de mediação cultural: Por uma formação intercultural de professores e alunos de PLE. In: MENDES, Edleise (Org). Diálogos interculturais: ensino e formação em português língua estrangeira- Campinas, SP: Pontes Editores, 2011.

MOÇAMBIQUE. Plano Curricular Ensino Básico Objectivos, Políticas, Estrutura, Planos De Estudos E Estratégias De Implementação, 2003.

NGUNGA, A.; BAVO, N. N. Práticas linguísticas em Moçambique: avaliação da vitalidade linguística em seis distritos. Maputo: CEA, 2011.

OLIVEIRA, Gilvan Muller; ALTENHOFEN, Cleo V. O in vitro e o in vivo na política da diversidade linguística no Brasil inclusão e exclusão do plurilinguismo na educação e sociedade. In: MELLO, Heliana et al (Orgs). Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011. p. 187-216.

______, Gilvan Muller de. A língua é de quem se apropria e gere. Kriolidade Suplemento Cultura. 2011.

SAVEDRA, Monica Maria Guimarães; LAGARES Xoán Carlos. Política e planificação linguística: conceitos, terminologias e intervenções no Brasil. In: Gragoatá. Publicação dos Programas de Pós-Graduação do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense. — n. 1 (1996) -. — Niterói: EdUFF, 2012.

TIMBANE, Alexandre Antonio. O ensino da língua portuguesa em Moçambique e a problemática da formação de professores primários. Artifícios. Revista do Difere - ISSN 2179 6505, v. 4, n. 7, jun/2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).