CENTRAL DO BRASIL: EVENTOS DE LEITURA E ESCRITA NA SOCIEDADE BRASILEIRA

Edvania Ferreira Bandeira, Carolina de Abreu Peixoto

Resumo


Este artigo aborda as representações do analfabeto na sociedade brasileira do final do século XX a partir da obra cinematográfica Central do Brasil, de Walter Salles. Para isso, serão necessárias algumas considerações acerca dos conceitos de analfabetismo e letramento a fim de se compreenderem as características gerais da população analfabeta do país e suas necessidades comunicativas em uma sociedade que se baseia prioritariamente em relações letradas e grafocêntricas. Como subsídio à compreensão do momento histórico-cultural em que se insere a trama, apresentamos também um breve apanhado sobre o quadro educacional brasileiro da década de 90, época em que foi lançado o filme e refletimos sobre as relações de poder e autoridade que, permeadas por eventos de leitura e escrita, se estabelecem no meio social. 


Palavras-chave


Analfabetismo; Letramento; Sociedade; Políticas educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ARELARO, Lisete Regina Gomes. Os Fundos Públicos no Financiamento da Educação - O Caso FUNDEB: Justiça Social, Equívoco Político ou Estratégia Neoliberal? (Um Ensaio). Tese de Livre Docência – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

CENTRAL do Brasil. Direção: Walter Salles Júnior. Produção: Martire de Clemont-Tonnere e Arthur Cohn. Intérpretes: Fernanda Montenegro; Marília Pera; Vinícius de Oliveira; Sônia Lira; Othon Bastos; Matheus Nachteergaele e outros. Roteiro: Marcos Berrnstein; João Emanuel Carneiro e Walter Salles Júnior. [S.l.]: Le Studio Canal; Riofilme; MACT Productions, 1998. 1 bobina cinematográfica (106min), son., color., 35mm.

COLAÇO, Silvania Faccin. Práticas pedagógicas de letramento: uma visão ideológica. Disponível em:

http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/214

/589. Acessado em: 04.nov.2016.

COLELLO, Sílvia. M. G. A escola que (não) ensina a escrever. SP: Paz e Terra, 2007.

_________, Sílvia. M. G. A pedagogia da exclusão no ensino da língua escrita. In VIDETUR, n. 23. Porto/Portugal, Mandruvá, 2003, p. 27 – 34 (www.hottopos.com). Acesso em: 12.dez.2016.

FERRARO, A. R. Analfabetismo e níveis de letramento no Brasil: o que dizem os censos? Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 81, p. 21-47, dez. 2002. Disponível em: http://cedes.unicamp.br Acesso em: 12.dez.2016.

FERREIRA, A, B, H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1998.

GUIMARÃES, José Luiz. Alguns impactos do Fundef: apontamentos e incertezas após sua implantação. In: MARTINS, Angela Maria.; OLIVEIRA, Cleiton de; BUENO, Maria Silvia Simões (Org.). Descentralização do Estado e municipalização do ensino: problemas e perspectivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. p. 193-210.

IBGE, Censo Demográfico. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PNAD. 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=149. Acesso em: 04.ago.2017.

KLEIMAN, A. Preciso ensinar o letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? São Paulo: Produção Editorial, 2005.

__________, A. (org.) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, Mercado das Letras, 1995.

MENEZES, Ebenezer Takuno de; SANTOS, Thais Helena dos. Verbete Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização). Dicionário Interativo da Educação Brasileira - Educabrasil. São Paulo: Midiamix, 2001. Disponível em: http://www.educabrasil.com.br/mobral-movimento-brasileiro-de-alfabetizacao/ Acesso em: 12.dez.2016.

NAOE, Aline. Analfabetismo no Brasil evidencia desigualdades sociais históricas. Revista ComCiência: Revista Eletrônica de Jornalismo Científico. LABJOR/SBPC. UFJF. 2012. Disponível em: http://www.ufjf.br/ladem/2012/02/24/analfabetismo-no-brasil-evidencia-desigualdades-sociais-historicas/ Acesso em: 12.dez.2016.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação (RBPAE), Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 197-209, mai./ago. 2009.

PERES, M. A. C.; ALMEIDA, C. L.S. Velhice e analfabetismo na região cacaueira do sul da Bahia: reflexões contextualizadas. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa e Extensão de Direitos Humanos e Fundamentais da UESC. 03 a 05. Jun. 2013.

RODRIGUEZ, Vicente. Financiamento da educação e políticas públicas: o FUNDEF e a política de descentralização. Cadernos Cedes, Campinas, ano 21, n. 55, p. 42-57, nov. 2001.

ROMANIELO, Ana Luísa Pereira. A trajetória da personagem no cinema de estrada: leitura de Central do Brasil. Revista Leitura Maceió, nº 51, p. 153-167, Jan./Jun. 2013.

SAVIANI, Dermeval. Sistemas de ensino e planos de educação: o âmbito dos municípios. Educação & Sociedade, Campinas, ano 20, n. 69, p. 119-136, dez.1999.

SILVA, Mayara do Nascimento. A efetividade dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes em conflito com a lei e a atuação do Ministério Público.

Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=1c95ee9c76a4fb92. Acesso em: 16.dez.2016.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

VEYNE, Brigitte. O sistema francês de apoio ao cinema. Adida Audiovisual. Embaixada da França no Brasil: 2009.

Disponível em: https://cinefrance.com.br/arquivos/o_sistema_frances_de_apoio_ao_cinema.pdf Acesso em: 05.dez.2016.

YANAGUITA, Adriana Inácio. As políticas educacionais no Brasil nos anos 1990. Faculdade de Filosofia e Ciências – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Campus de Marília. Disponível em: http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoes Relatos/0004.pdf . Acesso em: 12.dez.2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).