02. A INFÂNCIA SOB O PRISMA DO VERSO: UMA LEITURA DO POEMA “MEUS OITO ANOS” DE ÂNGELA VILMA

Naiana Pereira de Freitas

Resumo


 O tema “memória” tem sido nos últimos tempos objeto de pesquisa em diversas áreas de estudo. Áreas que vão desde o campo da saúde ao campo da cultura. É possível perceber como essa temática é geradora de possibilidades. Assim, o objetivo deste artigo é verificar como a “memória” se constitui em um traço importante para a elaboração do poema “meus oito anos”, produzido pela escritora baiana Ângela Vilma e publicado no blog Aeronauta em 2012. Para Maurice Halbwachs (1990) o grupo é a base para o desenvolvimento da memória interior de determinado sujeito. Logo, observa-se como a ação de recordar é um movimento constante entre a memória individual, privada e a memória pública, coletiva. É nesta relação entre as memórias que o poema “meus oito anos” será lido neste estudo. É preciso considerar, em relação à constituição do blog Aeronauta, que a memória coletiva se constitui a partir de elementos presentes na literatura nacional e/ou estrangeira já legitimada. Para Denise Schittine (2004), a memória artificial das novas tecnologias contribuiu para que o indivíduo não exercite a sua memória individual, visto que, com a passagem mais veloz do cotidiano, limita-se a capacidade de apreender os diversos acontecimentos. Com a finalidade de conter o excesso de informações, o indivíduo contemporâneo busca formas para construir sua memória. O poema “meus oito anos” condensa esta relação entre a memória pessoal e coletiva. Ao elaborar este poema, a escritora evidencia que reconhece um sistema literário estabelecido no Brasil, logo assume participar de uma coletividade. Neste cenário, expõe por meio da memória individual a perspectiva de sua infância.


Palavras-chave


Memória; Infância; Poema; Blogs; Ângela Vilma

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Casimiro. Meus oito anos. Disponível em:< http://www.nilc.icmc.usp.br/nilc/literatura/meusoitoanos.htm.>.Acesso em: 12 out.de 2015.

ABROMOVICH, Fanny (Org). O mito da infância feliz: antologia. 4. ed. São Paulo: Summus, 1983.

ALVES, Lourdes Kaminski; COSTA, José Carlos da. Representações da memória na literatura e na cultura. Revista Investigações, Pernambuco, v. 23, n. 1, p.187-210, jan. 2010.

ANDRADE, Oswald de. Obras completas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

ANDRADE, Fábio de Souza. Trouxeste a chave? Poesia e memória em Carlos Drummond de Andrade. In: MOURA, Murilo Marcondes de. (Org.). Cadernos de Leituras: Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. p.89-105.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BIRMAN, Joel. Desconstrução da filosofia do sujeito. In: _______. Entre cuidado e saber sobre si: sobre Foucault e a psicanálise. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

HALBWACHS , Maurice . A memória coletiva. Trad. Laurent Léon Schaffter. São Paulo: Edições vértice. 1990. Disponível em:.Acesso em: 24 abr.de 2015.

LOPES, Silvina Rodrigues. A poesia, memória excessiva. In: ______. Literatura, defesa do atrito. Lisboa: Vendaval, 2003.p.59-77.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n.10, p.7-28, dez. 1993. Disponível em: . Acesso em: 27 abr.de 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo