AS VIAS E AS VEIAS DE COMICIDADE DO ULIISSES DE CÉSAR BRIE

Michel Silva Guimarães

Resumo


Este artigo tem por direcionamento proporcionar uma discussão a respeito da arte cômica e da sua influência na elaboração diegética do texto dramático La Odisea, de autoria de César Brie, dramaturgo argentino radicado na Bolívia. Por meio das teorias sobre o cômico e o riso de estudiosos como Sigmund Freud, Mikhail Bakhtin, Henri Bergson, Cleise Mendes e Vladimir Propp traçaram-se quadros de análise interpretativa para avaliar a recorrência de elementos cômicos no texto dramático de Brie e suas possíveis motivações, operacionalizando o humor como crítica social e política às situações vividas pela Bolívia e pela América Latina. A mescla do trágico e do cômico, a utilização das dualidades entre essas duas categorias que há tempos permeiam o hall de interesses de artistas e intelectuais, a exploração dessas dualidades, assim como a recorrência do cômico, é próprio da arte poética do referido dramaturgo. Embora a mescla entre o cômico e o trágico mostre-se recorrente na contemporaneidade, como bem exemplifica a obra de Brie, buscamos demonstrar nesse artigo ser essa uma via recorrente na dramaturgia em língua espanhola, já estando presentes em obras como La Celestina (1499), El burlador de Sevilla y convidado de piedra (1630) e sendo até mesmo recomendada por Lope de Veja em seu texto de 1609, El arte nuevo de hacer comedias en este tiempo, tornando, assim, a veia da comicidade uma constante na dramaturgia de língua espanhola.


Palavras-chave


comédia; riso; La Odisea.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Souza. Porto Alegre: Globo, 1966.

BRIE, César Miguel. La Odisea; Estudio Crítico: entrevista con Cesar Brie. In.: _____. Teatro II. Buenos Aires: Atuel, 2013. p. 7 – 108; 185 – 194.

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o Contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: UnB HUCITEC, 1987.

BAUDELAIRE, Charles. Da essência do riso (e de modo geral do cômico nas artes plásticas). In:______. Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CERVANTES, Miguel. El igenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha. Ed. de Alberto Blecua e Andrés Pozo. Barcelona: Espasa Libros, 2010

FREUD, Sigmund. Os chistes e sua relação com o inconsciente. In:______. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas. Tradução de Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

GONZÁLEZ, Mário M. Leituras de literatura espanhola: (da Idade Média ao Século XVII). São Paulo: Letraviva: Fapesp, 2010.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. Lisboa: Cotovia, 2003.

LOPE DE VEGA. El arte nuevo de hacer comedias en este tiempo: (Dirigido a la Academia de Madrid). Disponível em: . Acesso em 21/03/2014.

MENDES, Cleise Furtado. A gargalhada de Ulisses: a catarse na comédia. São Paulo: Perspectiva / Salvador: Fundação Gregório de Mattos, 2008.

MENDES, Cleise Furtado. A Convivência Dramática. In.: As Estratégias do Drama. Salvador: EDUFBA, 1995.

PROPP, V. Comicidade e riso. Tradução de Aurora Fordoni Bernadini. São Paulo: Ática, 1992.

ROJAS, Fernando. La Celestina. Ed. e notas de Dorothy S. Severin.Madrid: Alianza Editorial, 2010.

TIRSO DE MOLINA. O burlador de Sevilla e o Convidado de pedra. Ed. bilíngue de Alex Cojorian. Brasília: Círculo de Brasília, 2004.

WATT, Ian. Mitos do Individualismo Moderno: Fausto, Dom Quixote, Dom Juan, Robinson Crusoe. Tradução de Mario Pontes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).