“O GIGANTE ACORDOU” ENQUANTO MITO NO IMAGINÁRIO NACIONAL

Ademilton dos Santos Prada

Resumo


O presente trabalho resulta de uma pesquisa qualitativa na área de Análise de Discurso de tradição francesa pecheutiana, baseada nos pressupostos teóricos de formação discursiva [Pêcheux (2009)], sujeito [Pêcheux (2009); Orlandi (1999)] e memória discursiva [Pêcheux (1999); Orlandi (1999; 2009); Indursky (2009)]. O seu objetivo principal consistiu em identificar os deslizamentos de sentido do enunciado “O Gigante Acordou” em fatos ocorridos em momentos distintos da história nacional. Para tanto, foram levantadas as condições de produção deste enunciado no imaginário nacional: primeiro, através de um olhar recuado sobre as menções do enunciado “gigante adormecido” na literatura e na historiografia brasileiras do século XIX, assim como em sua alusão no Hino Nacional, escrito já no século XX; segundo, através de um olhar sobre o ressurgimento do enunciado “o gigante acordou” em determinados períodos dos séculos XX e XXI, a exemplo de uma publicação da Revista Tico-Tico, durante Estado Novo, entre 1937 e 1945; de um cartaz, durante a Marcha da Família com Deus pela Liberdade, em 1964; de uma campanha publicitária realizada pela empresa Johnnie Walker em 2011; assim como nos protestos de rua ocorridos em junho de 2013, quando tal enunciado se transformou em uma palavra-de-ordem bastante difundida, tanto na internet, quanto nas ruas de diversas cidades do país. 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Inventário. ISSN: 1679-1347

Instituto de Letras. Rua Barão de Jeremoabo, nº 147 CEP: 40170-115
Campus Universitário Ondina, Salvador-BA
Telefone Geral: 55-71-3283-6256

Créditos da capa: Leila França Rocha (vencedora de concurso realizado no ILUFBA em 2002).