A funcionalidade tonal expandida através de nuvens harmônicas

Carlos de Lemos Almada

Resumo


Este estudo aborda o conceito de “nuvem harmônica”, elaborado especialmente para definir uma situação composicional específica presente na Primeira Sinfonia de Câmara, op.9, de Arnold Schoenberg. Trata-se do emprego da escala de tons inteiros na construção de trechos musicais que desempenham nitidamente funções tonais reconhecíveis. As “nuvens harmônicas”, por sua vez, associam-se a outro conceito correlato, o de “cortinas cadenciais” (ALMADA, 2007a), com ambas as aplicações opondo-se ao emprego do mesmo material melódico-harmônico com finalidades não-tonais: os três casos ocorrem durante a Sinfonia e recebem aqui definições e delimitações apropriadas.

Palavras-chave


Primeira Sinfonia de Câmara op.9; harmonia; funcionalidade tonal; escala de tons inteiros

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ICTUS Music Journal Versão digital do Periódico ICTUS
ISSN: 1516-2737 | e-ISSN: 2238-6599

2020 © ICTUS Music Journal