AVALIAÇÃO DA BIODEGRADAÇÃO DO INSETICIDA IMIDACLOPRIDO EM REATOR DE BANCADA

Roberta Daniela da Silva Santos, Paula Tereza de Souza e Silva, Carlos Alberto Tuão Gava, Veruschka Escarião Dessoles Monteiro, Márcio Camargo de Melo

Resumo


Na Região do Vale do São Francisco, no estado de Pernambuco, o manejo da uva requer a utilização de inseticidas para combate às pragas, dentre eles, destaca-se o imidacloprido. A utilização de inseticidas acarreta na geração de efluentes contaminados, provenientes das sobras da pulverização e das águas de lavagens dos equipamentos destinados a essa atividade, os quais, se não forem tratados corretamente, podem contaminar os recursos naturais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a biodegradação do inseticida imidacloprido, empregando reator de bancada, combinando aeração e esterco caprino. Para avaliar as melhores condições de biodegradação, utilizou-se um planejamento fatorial 22 verificando a influência da razão efluente / biomassa (95/5 e 80/20) e do tempo de detenção (15 e 23 dias). As variáveis avaliadas foram nitrogênio total, oxigênio dissolvido, temperatura, carbono orgânico total, contagem de microrganismos e análise do imidacloprido no efluente e no esterco caprino. Verificou-se que os microrganismos presentes no esterco caprino foram promissores na biodegradação do imidacloprido.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gesta.v7i7.28073

E-mail:  revista.gesta@ufba.br

https://www.facebook.com/Revista.Gesta1/

ISSN Eletrônico: 2317-563X