QUALIDADE DAS ÁGUAS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DA CIDADE DE SALVADOR E DO MUNICÍPIO DE LAURO DE FREITAS, BAHIA

Juliana Jesus Santos, Ailton dos Santos Junior, Najara Santana Pita, Emily Karle dos Santos Conceição, Valdinei Mauricio Batista Souza, Aiane Catarina Fernandes Faria

Resumo


Os rios urbanos são parte de um complexo sistema, um espelho socioambiental das cidades. Os impactos causados à qualidade ambiental das águas dos rios urbanos impedem que os mesmos desempenhem suas funções ambientais, sociais, culturais e religiosas. As influências humanas na qualidade e no funcionamento adequado/natural dos sistemas hídricos, em prol do desenvolvimento urbano, despontam como as grandes responsáveis pelas condições atuais de suas águas. O objetivo principal deste trabalho foi avaliar o estado geral da qualidade das águas das Bacias Hidrográficas das cidades de Salvador e Lauro de Freitas, no estado da BA, a partir de duas abordagens complementares: o uso do Índice de Qualidade das Águas da National Sanitation Foundation e o Índice de Estado Trófico. Para a avaliação, foram selecionados ao menos três pontos em cada um dos principais rios de cada bacia, resultando num total de 47 pontos. Os pontos escolhidos estão dispostos da seguinte forma: um próximo à nascente, um próximo à foz e os demais, a meio curso. Esse delineamento permite realizar o acompanhamento da qualidade ao longo do rio. Os resultados do Índice da Qualidade da Água (IQA) e do Índice de Estado Trófico (IET) apresentaram cenários distintos para as Bacias Hidrográficas analisadas. Foi possível diagnosticar a perda progressiva da qualidade das águas da nascente para a foz em razão do aporte de efluentes domésticos oriundos das regiões mais densamente habitadas. Neste sentido, 70% dos mananciais foram diagnosticados para a qualidade ambiental como Ruim ou Péssimo, de acordo com o IQA. Quanto ao IET, todos os pontos apresentaram algum nível de eutrofização, mesmo aqueles que apresentaram boa qualidade. A maior parte, quase 50% dos trechos avaliados, apresentou eutrofização num estágio avançado (supereutrófico e/ou hipereutrófico), comprometendo assim seus usos múltiplos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gesta.v6i1.24346

E-mail:  revista.gesta@ufba.br

https://www.facebook.com/Revista.Gesta1/

ISSN Eletrônico: 2317-563X