Tipificação de ambientes lóticos em macro e meso escalas em Minas Gerais, Brasil

Márcia Couto Melo, Paulo Tarso Amorim Castro, Mariana d´Ávila F. P. P. Freitas, Pedro Fialho Cordeiro, Helena Lúcia Menezes Ferreira

Resumo


O artigo apresenta a tipificação dos ambientes lóticos no estado de Minas Gerais (macroescala) e nas áreas de contribuição dos reservatórios de Cajuru, Peti e Rio de Pedras (mesoescala), o que permitiu agrupar ambientes fluviais com características hidromorfológicas relativamente homogêneas. Considerando as ecorregiões aquáticas, a tipificação baseou-se na integração de informações do substrato rochoso e do relevo de Minas Gerais, por meio do agrupamento de rochas com respostas semelhantes ao intemperismo e à erosão, assim como pela divisão em classes altimétricas. Como produto dessa integração, obteve-se 21 tipos representados no mapa de tipificação abiótica dos ambientes lóticos do Estado. A tipificação em mesoescala foi baseada, também, nas variáveis: grupos litológicos e classes altimétricas, bem como inclinação do talvegue, padrão do canal e tipo do vale. Foram identificados 24 tipos de ambientes lóticos nas três áreas de contribuição.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/gesta.v4i1.16599

E-mail:  revista.gesta@ufba.br

https://www.facebook.com/Revista.Gesta1/

ISSN Eletrônico: 2317-563X