MULHERES BAIANAS NA IMPRENSA: Práticas de periodismo, redes de solidariedades e expressões de lutas na primeira república

Márcia Maria da Silva Barreiros

Resumo


O texto discute o processo de inserção das mulheres baianas na imprensa periódica no contexto da Primeira República. No início do século XX, a imprensa se tornou uma realidade para o elemento feminino expressar ideias, defender posições e desenvolver habilidades e competências literárias. Os textos de autoria feminina produzidos para veiculação e publicização na antiga província da Bahia, dialogaram, por sua vez, com as demandas de um tempo, onde mulheres intelectualizadas e desejosas de seus direitos, em particular, do direito à educação e à crítica da subalternidade civil feminina, construíram motes de lutas da primeira fase do feminismo. A partir do acesso à imprensa, foram forjadas redes de solidariedade entre as mulheres, que através da palavra escrita estabeleceram estratégias de luta frente ao exclusivismo masculino e senhorial no domínio da cultura letrada. A Revista A Paladina do Lar, foi um exemplo de experiências exitosas que possibilitou a visibilidade social de grupos de mulheres pertencentes aos setores intermediários e de elite da cidade, ao mesmo tempo, que revelou os embates travados entre os gêneros, num espaço onde a palavra impressa significava poder.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.