Movimentos feministas e academia: tensões e alianças

Joana Maria Pedro

Resumo


Neste artigo pretendemos desenvolver algumas reflexões sobre as relações entre a academia e os movimentos feministas. Trataremos a discussão a partir de dois eixos que consideramos relevantes: um eixo refere-se às contribuições do movimento feminista ao campo da pesquisa acadêmica, especialmente na historiografia; o outro eixo refere-se às ressonâncias das pesquisas sobre o próprio movimento feminista. Esta discussão está sendo desenvolvida a partir da experiência do contato que tem sido feito com movimentos ligados ao feminismo, para a organização do Fazendo Gênero de 2020.


Texto completo:

PDF

Referências


BHABHA, Homi. O local da Cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

COSTA, Claudia de Lima. O tráfico do gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 11, 1998.

COSTA, Claudia de Lima; ÁVILA, Eliana. Gloria Anzaldúa, a consciência mestiça e o “feminismo da diferença”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 13(3): 691-703, setembro-dezembro 2005

GARCIA, Marco Aurélio. O Gênero da Militância - notas sobre as possibilidades de uma outra história da ação política. Cadernos Pagu (8/9): 319-342, 1997.

GARCIA, Teresa Aguilar. El sistema sexo-género en los movimientos feministas. Amnis. Revue de Civilisation Contemporaine Europes/Amériques, n. 8, 2008. Disponível em: . Acesso em 2 fev. 2010.

GONÇALVES, Renata. Sem pão e sem rosas: do feminismo marxista impulsionado pelo Maio de 1968 ao academicismo de gênero. Anais VI Colóquio Internacional Marx & Engels. Unicamp, Campinas. 2009.

GREGORI, Maria Filomena. Estudos de Gênero no Brasil (comentário crítico). In MICELI. Sergio (Org.). O que ler na Ciência Social brasileira (1979-1995). Sociologia vol II. São Paulo: Editora Sumaré. ANPOCS: Brasília, DF. 1999.

MALUF, Sônia Weidner. Os Dossiês da REF: além das fronteiras entre academia e militância. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 12: 264, setembro-dezembro 2004.

MARQUES, Gabriela Miranda, PEDRO, Joana Maria. O feminismo Riot: geração e violência. Labrys, Études Féministes/ estudos feministas. Juillet/décembre 2012 - julho/dezembro 2012.

NARANJO, Cinthia Soledad. Desplazamientos categoriales en los estudios sobre el género. del concepto de clase a la relación conceptual de identidad-identificación. Anais XII Jornadas Nacionales de Investigadores en Comunicación. Escuela de Comunicación Social – Facultad de Ciencia Política y RRII - Rosario 2008.

PEDRO, Joana Maria. Feminismo e gênero na universidade: trajetórias e tensões da militância. História, Unisinos 9(3):170-176, Setembro/Dezembro 2005.

PEDRO, Joana Maria. Militância feminista e academia: sobrevivência e trabalho voluntário. Revista Estudos Feministas v.16 n.1. Florianópolis jan./abr. 2008.

PEDRO, Joana Maria. Relações de gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea1. Topoi, v. 12, n. 22: 270-283, jan.-jun. 2011.

SARTI, Cynthia Andersen. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 12(2): 35-50, maio-agosto/2004.

SOIHET, Rachel. Zombaria como arma antifeminista: instrumento conservador entre libertários. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 13(3): 591-611, setembro-dezembro/2005.

THAYER, Millie. Feminismo transnacional: re-lendo Joan Scott no sertão. Revista Estudos Feministas v.9 n.1. Florianópolis, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.