GÊNERO E POLÍTICA PÚBLICA: Programa Chapéu de Palha da Pesca Artesanal em São Jose da Coroa Grande – PE

Mariana Cristina Mourão Veiga, Maria do Rosário de Fátima de Andrade Leitão

Resumo


A pesca artesanal se constitui em uma atividade produtiva com características socioeconômica, ambiental e cultural, na qual as pescadoras tradicionais desempenham uma rotina de trabalho fatigante e invisibilizada, que engloba o trabalho produtivo e reprodutivo. Neste contexto de resistência feminista o I Plano Estadual de Políticas Públicas para mulheres rurais de Pernambuco representou um espaço aberto à elaboração e práticas de políticas afirmativas para este segmento social. Entre as conquistas está a criação e implementação da Secretaria da Mulher e a inclusão do segmento pesqueiro do Programa Chapéu de Palha, Política Pública que apresentava em seu plano de meta ações educativas e geradoras de renda para as mulheres rurais. Desta forma, o objetivo da pesquisa consiste em resgatar, sob a perspectiva da divisão sexual do trabalho, a atuação do Programa Chapéu de Palha da Pesca Artesanal (PCPPA), implementada pela Secretaria da Mulher de Pernambuco, na Colônia de Pescadores e Pescadoras Z-09, no município de São José da Coroa Grande no estado de Pernambuco, em 2015 e 2016.Trata-se de uma pesquisa  qualitativa, que dialoga com a teoria feminista, cujas fontes foram coletadas em pesquisa de campo, em consulta do acervo documental da SecMulher. A metodologia incluiu a aplicação de questionários para pescadoras, uma representante da SecMulher e uma representante da Ong executora das ações. O aporte teórico fundamentou-se em Leitão (2014), Manesky (2012) na abordagem sobre gênero e Pesca; Hirata (2016) e Kergoat (2016) sobre divisão sexual do trabalho.  Dos resultados obtidos, podemos considerar a importância da Política Pública com transversalidade de gênero e por inserir diálogo sobre os direitos das mulheres em um universo historicamente masculino.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, S.M. Mulher além da Maré: um diálogo cinematográfico entre pesquisa ação, violência e desenvolvimento local vivenciados por pescadoras artesanais do Município de Itapissuma – PE. Dissertação de Mestrado, Recife, POSMEX/UFRPE, 2010.

ASSUNCAO,V.K.; LEITÃO, M.R.F.A; INACIO, P.H.D. Comer mais e Melhor: Os Impactos do Programa Bolsa Família na Alimentação de Famílias de Pescadoras Artesanais de Pernambuco. Amazônia: Revista de Antropologia (Online), v.4, p. 336-353, 2012

BALBO, L. “La doble presencia”, in BORDERÍAS, C.; CARRASCO, C.; ALEMANY, C. Las mujeres y eltrabajo: rupturas conceptuales. Barcelona-Madrid: Fuhem-Icaria, 1994, pp. 505-513.

BUARQUE, C. Mulheres Rurais e Políticas Sociais: Uma experiência em Pernambuco. P. 231-234.2012

CISNE, M. Divisão Sexual do trabalho na ordem “sociometabólica” do capital – uma análise necessária para a emancipação das mulheres. Gênero, Divisão Sexual do Trabalho e Serviço Social. P117-140 2º Edição, Outras Edições.2015

D'AZMINA. A luta das pescadoras contra a invisibilidade. Disponível em: . Acesso em:30 junho. 2017.

FURTADO, G. S. Lançando rede tecida e retecida na esperança de garantir Peixe E Sonho: um resgate das ações da Comissão Pastoral dos Pescadores sobre Gênero, Educação e Desenvolvimento Local na comunidade de pescadores de Itapissuma, PE., Dissertação de Mestrado, Recife, POSMEX/UFRPE, 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

IBGE - Perfil Socioeconômico e Ambiental. Análise Situacional – São José da Coroa Grande. Disponível em: http://www.cprh.pe.gov.br/downloads/pnma2/projeto-orla-sjcoroagrande/3.1analise-situacional.pdf. Acesso em 09 junho 2016

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set/dez, 2007.

KERGOAT, D. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo.In HIRATA, Helena, LABORIE, Françoise, DOARÉ, Hélène e SENOTIER, Danièle (org). Dicionário Crítico do Feminismo. 1.ed. São Paulo: UNESP, 2009. p. 67-75.

LABERGE, J. As naturezas do pescador. In: Diegues, Antônio Carlos. A Imagem das Águas. São Paulo: Hucitec, 2000,p.39-57

LEITÃO, M. R. F. A. 30 anos do Registro de Pesca para Mulheres. Recife: Fundação Antônio dos Santos Abranches, 2011

LEITÃO, M. R. F. A. Pesca & gênero: o papel das mulheres no desenvolvimento local. - Recife: Fundação Antônio dos Santos Abranches, 2008. 18p.

LIMA, C. M.; LEITÃO, M. R. F. A. Mulher Pesca e Cidadania: Uma trajetória de luta. XV Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste e Pré-Alas Brasil. Setembro/2012, Teresina-PI.

LIMA, C. M. Transversalidade de Gênero, Desenvolvimento Local e Políticas Públicas na cadeia produtiva da pesca artesanal nas comunidades de Brasília Teimosa e Itapissuma, Dissertação de Mestrado, Recife, POSMEX/UFRPE, 2013.

LIMA, C. M. ; LEITÃO, M. R. F. A. . Transversalidade de Gênero e Políticas Públicas na cadeia produtiva da pesca artesanal nas comunidades de Brasília Teimosa e Itapissuma (PE/Brasil). Vivência: Revista de Antropologia , v. 1, p. 123-134, 2014.

LOBO, E.S. A Classe trabalhadora tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura e Brasiliense, 1991

MANESCHY, M. C.; SIQUEIRA, D.; ÁLVARES, M. L. M. Pescadoras: subordinação de gênero e empoderamento. In: Estudos Feministas, Florianópolis, p. 713-737, setdez/2012.

MANESCHY, Maria Cristina. Da casa ao mar: papéis das mulheres na construção da pesca responsável. Proposta, Rio de Janeiro, n. 84-85, p. 82-91, mar./ago., 2000.

MELO, M. F. M. Políticas Públicas entre pescadores artesanais: invisibilidade do trabalho produtivo e reprodutivo. In: Fazendo Gênero8-Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 Maio. 2017

MINAYO, M. C. S. (org). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 18a Edição. Petrópolis: Editora Vozes, p.07-80, 2001.

OLIVEIRA, A.C.M. A Evolução da Mulher no Brasil do Período da Colônia a República. VI Colóquio Internacional "Educação e Contemporaneidade". São Cristovão-SE. Set.2012.

ORLANDI, P. O. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos. Campinas, SP. Pontes, 2000.

ORLANDI, E. As formas do silêncio. No movimento dos sentidos. 6ª Ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

PERNAMBUCO. I Plano Estadual de Políticas Públicas para as mulheres rurais de Pernambuco. Secretaria Especial da Mulher. Recife, 2011

PERNAMBUCO. Relatório das atividades realizadas pela gerência geral de articulação e interiorização das ações de gênero no período de 2012 a 2016. Recife, 2010

PERNAMBUCO. Lei n.º 14.492/2011, de 29 de novembro de 2011. Institui o Chapéu de Palha - Pesca Artesanal, e dá outras providências. Recife, 2011a. Disponível em: . Acesso em: 24 Set 2017.

RABELO, C.L et al Construção de Uma Agenda e Chapéu de Palha: estudo dos programas de 1988 e 2007.VII Seminário de Ciência Olítica e Relações Internacionais da UFPE Outubro, 2013. p.14-23

RAMALHO, C.W.N. Pescadores Artesanais e o Poder Público: Um estudo sobre a colônia de Pesca, de Itapissuma, PE. Monografia para obtenção de Bacharel em Ciências Sociais, com ênfase em Sociologia Rural, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, Abr. 1999.

SANTOS. G. Governança e Transversalidade de Gênero: O Programa Chapéu de Palha – Pesca Artesanal em Itapissuma – Pernambuco. Dissertação para obtenção de Mestra no Programa de Pós – Graduação em Extensão Rural e Desenvolvimento Local, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, Abr. 2016.

SECRETARIA DA MULHER. Mulheres Semeando Cidadania: Caderno de Políticas Públicas. Recife, 2008

SUCUPIRA, F. Divisão Sexual do Trabalho e o Tempo Cotidiano das Mulheres de Baixa Renda. Ideias-Revista Instituto Filosofia e Ciências Humanas. UNICAMP, v.7, nº1, p-15-40, jan/jul, 2016.

SOUSA, L. P.; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados. 2016

VASCONCELOS, M.L. Migração, violência e questões de gênero. In: II Seminário Internacional - Repúblicas e Violência: Um Olhar das Mulheres. Governo de Pernambuco. Secretaria da Mulher. Nov. 2014, p. 132-137


Apontamentos

  • Não há apontamentos.