A construção da primeira base nacional comum curricular para a educação infantil

Zilma de Moraes Ramos de Oliveira

Resumo


A definição de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC) em 2017, no que se refere à Educação Infantil envolveu uma série de desafios para garantir a especificidade desta etapa educacional na organização de situações educativas. Inspirada nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, a BNCC-EI apoia-se em concepções como direito de aprender, criança ativa, currículo, experiências, campos de experiências e apresenta, para cada campo de experiências, objetivos de aprendizagem apresentados por faixas etárias. Sua implementação requer políticas de formação docente inicial e continuada, boas condições de infraestrutura e para o trabalho docente e boas práticas de gestão pedagógica, para aprimorar o trabalho pedagógico nesta importante etapa da Educação Básica.

Palavras-chave


Base Nacional Comum Curricular; Educação infantil, Formação docente

Texto completo:

PDF

Referências


BONDÍA-LAROSSA, J. A experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação nº19, São Paulo, 2002.

Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil (Parecer CNE/CEB nº 20/09 e Resolução CNE/CEB nº 05/09).

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Base Curricular Nacional. Resolução CNE nº 02/2017.

CAMPOS, M.M. et al. Educação Infantil no Brasil: avaliação qualitativa e quantitativa. (Relatório Final). São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2010. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/eixostematicos/educacaoinfantil/pdf/relatorio_final.pdf

CARVALHO, A.M.A.; PEDROSA. M.I.; ROSSETTI-FERREIRA, M.C. Aprendendo com a criança de zero a seis anos. São Paulo, Cortez, 2012.

DEWEY, John. Experiência e Educação. Petrópolis/RJ: Vozes, 2010.

GUIMARÃES, D. Relações entre bebês e adultos na creche: o cuidado como ética. São Paulo, Cortez, 2011)

OLIVEIRA, Z.M.R. Currículos de educação infantil: um estudo em diferentes países de uma perspectiva sociohistórica. Relatório de trabalho de pós-doutoramento apresentado à FAPESP. São Paulo (mimeo) 1997.

OLIVEIRA, Z.M.R. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo, Cortez, 2002.

OLIVEIRA, Z.M.R. Jogo de papéis: um olhar para as brincadeiras infantis. São Paulo, Cortez Editora, 2011.

OLIVEIRA, Z.M.R. Elementos organizadores do currículo da educação infantil a partir dos campos de experiências definidos nas diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil de modo a subsidiar a estruturação de processos pedagógicos de alfabetização nos anos iniciais do ensino fundamental articulados com estratégias desenvolvidas na pré-escola. Relatório do projeto “Apoio ao Desenvolvimento de Estratégias de Implementação do Plano Nacional de Educação no tocante às Políticas Públicas de Educação Básica”. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Ministério da Educação, 2015.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. (Org) Modelos curriculares para a Educação da Infância: construindo uma práxis de participação. Porto, Porto Editora, 2007, 3ª ed.

RINALDI, C. Diálogos com ReggioEmilia: escutar, investigar e aprender. São Paulo, Paz e Terra, 2012.

ROSEMBERG, F; CAMPOS, M.M. (Orgs.) Creches e pré-escolas no hemisfério norte. São Paulo, FCC/Cortez, 1994)

VALSINER, J. Culture and Human Development. London, Sage Publications, 2000.

VIGOTSKI, L.S. Quarta aula: a questão do meio na Pedologia. Psicologia USP, São Paulo, 2010, 21(4), 681-701.

WEIKART, D.P. A abordagem do currículo High Scope de Educação Infantil. Contrapontos, Itajaí, 4 (1), 23-42.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/re.v8i2.28263

Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, desde 2012. ISSN: 2317-1219 (online)
www.entreideias.ufba.br
Antiga Revista da FACED, desde 1994