Uma análise dos recursos disponíveis nas Sala de Recursos Multifuncionais: foco nos estudantes com deficiência intelectual

Juliana Dalbem Omodei, Renata Portela Rinaldi, Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Resumo


O Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais (SRM) é orientado pela Política Pública para a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva e uma das iniciativas do Ministério da Educação (MEC) para o processo de inclusão dos Estudantes Público-Alvo da Educação Especial (EPAEE). Consideramos essencial a compreensão do uso desses recursos e, para isso, objetivamos analisá-los à luz de um trabalho pedagógico de apoio aos estudantes com Deficiência Intelectual (DI), por meio de um processo de intervenção. A metodologia adotada baseia-se na abordagem qualitativa, do tipo intervenção, com a participação de sete estudantes com DI, a pesquisadora e uma professora voluntária. Os procedimentos de coleta de dados pautaram-se na catalogação dos recursos, planejamento e desenvolvimento do programa de intervenção. Os instrumentos de coleta de dados foram: protocolo pedagógico dos recursos, protocolo de registro de atividades e diários de campo. A análise dos dados foi orientada pela análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram a importância da adequação dos recursos à idade desses estudantes, considerando sua idade cronológica; a organização da SRM por nível de ensino, e também a insuficiência de recursos para um trabalho pedagógico aos estudantes com DI do ensino fundamental II e médio.

Palavras-chave


Sala de Recursos Multifuncionais; Deficiência Intelectual; Educação Especial e Inclusiva; Recursos Pedagógicos

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na educação básica. Secretaria de Educação Especial – MEC, SEESP, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Educação inclusiva: documento orientador do programa. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o AEE e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm>. Acesso em: 07 set. 2017.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). Plano Nacional de Educação 2001-2011: Lei n° 010172, de 9 de janeiro de 2001, que aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: 2001. Disponível em: Acesso em: 07 set. 2017.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). Plano Nacional de Educação 2014-2024 [recurso eletrônico]: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. Disponível em: < http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf> Acesso em: 07 set. 2017.

CUNHA, N.H.S. Brinquedo, desafio e descoberta: subsídios para utilização e confecção de brinquedos. Rio de Janeiro: FAE, 1988.

FURTADO, V.Q. Dificuldades de aprendizagem da escrita: uma intervenção psicopedagógica via jogos de regras. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

KISHIMOTO, T.M. O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

MAFRA, S.R.C. O Lúdico e o Desenvolvimento da Criança Deficiente Intelectual. Secretaria de estado da Educação Superintendência da Educação. 2008.

MANTOAN, M. T. E. Educação escolar de deficientes mentais: problemas para a pesquisa e o desenvolvimento. Caderno CEDES, Campinas, v. 19, n. 46, 1998. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000300009&lng=pt&nrm=iso> Acessado em 21/12/2012

MURCIA, J. A. M. (ORG.) Aprendizagem através do jogo. Tradução Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2005.

OMODEI, J. D. Um olhar para a sala de recursos multifuncionais e objetos de aprendizagem: apontamentos de uma pesquisa e intervenção. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2013.

RINALDI, R. P.; SCHLÜNZEN, E. T. M.; RINALDI, J. G. S.; SCHLÜNZEN JÚNIOR, K.

Sala de Recurso Multifuncional: a utilização de análises estatísticas como possibilidade de instrumento norteador do processo de implantação no Brasil. In: Simpósio Internacional de Educação a distância, 2 e Simpósio de Educação inclusiva e Adaptações, 4, 2013, Anais. Presidente Prudente: FCT/UNESP, 2013.

SOARES, E. de LIMA, LOPES, C. S., SPAT M., Folmer, V. (2017). A presença do lúdico no ensino dos modelos atômicos e sua contribuição no processo de ensino aprendizagem. Góndola, Enseñ Aprend Cienc, 12(2), 69-80. doi: 10.14483/23464712.10398. Disponível em: < http://revistas.udistrital.edu.co/ojs/index.php/GDLA/article/view/10398/html>

Acesso em: 07 set. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/re.v7i2.23890

Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, desde 2012. ISSN: 2317-1219 (online)
www.entreideias.ufba.br
Antiga Revista da FACED, desde 1994