Tecendo narrativas sobre gênero e sexualidade a partir de The Walking Dead: relato de uma experiência com as audiovisualidades no ensino superior.

Leonardo Nolasco-Silva, Maria da Conceição Silva Soares

Resumo


A intrusão das narrativas audiovisuais em nosso cotidiano não é recente. Também não é novidade o modo pelo qual elas desorganizam e reorganizam as práticas culturais, se constituindo, simultaneamente, em um desafio e em novas possibilidades para a educação. De acordo com Martín-Barbero (2000), em toda a América Latina as maiorias se incorporaram à modernidade “não sob o domínio do livro, mas a partir dos discursos e das narrativas, dos saberes e das linguagens da indústria e da experiência audiovisual” (p.83). Cônscios deste movimento, apostamos no potencial da série The Walking Dead como disparador pedagógico capaz de problematizar o tema ‘gênero’ na agenda de uma graduação tecnológica formada exclusivamente por homens. A partir de episódios editados pelo professor, selecionados considerando a maior presença de conflitos ligados aos ideais de uma masculinidade hegemônica e de uma feminilidade em transição, reunimos narrativas que caminham entre o estranhamento e a identificação, possibilitando aos praticantespensantes daquele espaçotempo a (des)construção de alguns regimes de verdades, bem como a validação de outros. A proposta deste trabalho é apresentar tais narrativas a partir de um referencial teórico que dialoga com os estudos sobre as masculinidades e as pesquisas nos/dos/com os cotidianos.

Palavras-chave


Narrativas audiovisuais; Gênero; Cotidiano Escolar

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho – os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas – sobre redes de saberes. Petrópolis: DP et Alii, 2008, pp. 15-38

__________. Sobre movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: OLIVEIRA; BARBOSA opus cit., pp. 39-48.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

DURKHEIM, Émile. O Suicídio. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FRIEDAN, Betty. A segunda etapa. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1983.

GREEN, Bill. BIGUM, Chris. Alienígenas em sala de aula (Trad. Tomaz Tadeu da Silva). Tomaz Tadeu da Silva (org.) Petrópolis RJ: Vozes, 1995. Pg. 206-43.

KILPP, Suzana. Dispersão-convergência: apontamentos para a pesquisa de audiovisualidades. In: MONTAÑO, Sonia; FISCHER, Gustavo: KILPP, Suzana. Impacto das novas mídias no estatuto da imagem. Porto Alegre: Sulina, 2012. P. 223 – 238.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Novos regimes de visualidade e descentramentos culturais. In FILÉ, Valter (org). Batuques, fragmentações e fluxos: zapeando pela linguagem audiovisual no cotidiano escolar. Rio de Janeiro: D, P & A, 2000. P. 83 – 112.

NOLASCO, Sócrates. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

RINCÓN, Omar. Experiências de convergência: inovação na análise e na expressão audiovisual. In. BERINO, Aristóteles: SOARES, Conceição (orgs). Educação e imagens: currículos e dispositivos de produção e circulação de imagens. Coord. da série: Nilda Alves. Petrópolis/RJ: De Petrus; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2013. P. 23 – 36.

SILVA, Marco. “Educar em nosso tempo: desafios da teoria social pós-moderna”. In: MAFRA, Leila de Alvarenga; TURA, Maria de Lourdes Rangel. (orgs.). Sociologia para Educadores 2: o debate sociológico da educação no século XX e as perspectivas atuais. Rio de Janeiro: Quartet, 2005, pp. 167-192.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/re.v6i1.17316

Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, desde 2012. ISSN: 2317-1219 (online)
www.entreideias.ufba.br
Antiga Revista da FACED, desde 1994