A Dominação Legitimada do Excluído na Escola e na Sociedade: breve trajetória da subjugação do humano a partir do seu aparte do ambiente natural

Rodrigo Avila Colla

Resumo


O presente ensaio é uma revisão bibliográfica crítica sobre o tema da dominação do humano pelo humano por meio de um mecanismo de aparte do ambiente natural que vem se constituindo historicamente e culmina numa espécie de naturalização do processo de subjugação/objetificação do outro. É utilizado referencial teórico que mescla autores da área das Ciências Sociais e da Filosofia enfocando aspectos referentes à formação humana. Nesse sentido, são de contribuição importante para as reflexões aqui empreendidas os trabalhos de Humberto Maturana (2002; 2009), Tomaz Tadeu da Silva (1992; 1994) e Leonardo Boff (2009). Parte-se da hipótese de que a perspectiva da ciência e o ideal humanista permeiam a estrutura social que acaba excluindo indivíduos da humanidade (desnaturalizada) para, uma vez quase animalizados, dominá-los (objetificando-os). No texto são analisadas pormenorizadamente as consequências disso na instituição escolar, mas também é feito um panorama de como outras instituições e mecanismos contribuíram historicamente para a dominação do humano. Esse processo de exclusão e domínio, de acordo com o argumento aqui utilizado, se tornam legítimos em virtude da dissociação entre espécie humana e natureza. Assim, uns excluem outros que, excluídos, são legitimamente dominados enquanto “naturais” (portanto objetificáveis) ou “de difícil humanização/socialização”. Ou seja, gradativamente minorando a autonomia da Vida enquanto sistema dinâmico (a objetificando), abrimos – muitas vezes ao querer extingui-las – um leque de oportunidades para a dominação (que se dá, por exemplo, por objetificação) em diversas instâncias e níveis.

Palavras-chave


Desnaturalização; Educação; Humanização; Natureza e Cultura; Objetificação.

Texto completo:

PDF

Referências


BOFF, Leonardo. 2009. Ethos Mundial: um consenso mínimo entre os humanos. Rio de Janeiro: Record, p.128.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. La Reproducción: elementos para una teoría del sistema de enseñanza. México, D.F: Distribuciones Fontamara, 1996, p. 286.

CUNHA, Luiz Antonio. 1981. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. Rio de Janeiro: F. Alves, p.293.

FLICKINGER, Hans-Georg. 2011. Autonomia e Reconhecimento: dois conceitos-chave na formação. Revista Educação, Porto Alegre: EdiPUCRS, vol.33, n.1., p.7-12, jan./abr.

FREIRE, Paulo. 2008. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p.213.

MATURANA, Humberto. 2009. Emoções e Linguagem na Educação e na Política. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, p.98.

_______________. 2002. A Biologia do Conhecer: suas origens e implicações. In: GRACIANO, Miriam (org.); MAGRO, Cristina (org.); VAZ, Nelson (org.). A Ontologia da Realidade. Belo Horizonte: Ed. UFMG, p.350.

NOGUEIRA, C. M. M.; NOGUEIRA, M. A. 2002. A Sociologia da Educação de Pierre Bourdieu: limites e contribuições. Educação & Sociedade, ano XXIII, Unicamp, Campinas, SP, ano XXII, n.78, p.15-36, abr.

SILVA. Tomaz Tadeu da. A “nova” direita e as transformações na pedagogia da política e na política da pedagogia. In: GENTILI, Pablo A. A. (Org.); SILVA. Tomaz Tadeu da. (Org.). Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação: visões críticas. Petrópolis: Vozes, 1994, p.204.

______________.1992. O que Produz e o que Reproduz em Educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, p.188.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/re.v6i2.17252

Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, desde 2012. ISSN: 2317-1219 (online)
www.entreideias.ufba.br
Antiga Revista da FACED, desde 1994