O jardim dos caminhos que se bifurcam: relação com a escola de jovens de segmentos populares.

Olivia Maria Costa Silveira, José Albertino Carvalho Lordelo

Resumo


O presente estudo investiga a trajetória escolar de egressos de um Programa de Inclusão de Jovens, buscando identificar as questões que levam milhões de jovens brasileiros a se matricularem e não permanecerem na escola até o fim do ano letivo. Foram entrevistados 19 egressos do Programa, que após a conclusão do ensino fundamental, se matricularam no ensino médio, nas cidades baianas de Juazeiro, Salvador e Vitória da Conquista. Além de entrevista semiestuturada, utilizou-se de grupos focais para a coleta de dados. Dentre os sujeitos de pesquisa, observou-se a hegemonia das mulheres, mães, com idade acima de 25 anos, com histórico escolar de abandono, que decidem retomar sua formação escolar, motivadas pelas demandas por melhores condições de vida e trabalho, preocupadas em ser um exemplo positivo para sua prole. As análises indicam ser possível pensar uma permanência por períodos determinados de tempo e não de forma estável e linear como idealizado pelas políticas educacionais tradicionais, transpondo para a Educação o que Machado Pais (2001) chamou de “trajetória io io” quando se refere as experiências no mundo do trabalho da juventude atual, diferenciando-se de gerações anteriores, que vivenciaram experiências de maior estabilidade.

Palavras-chave


Relação com a escola; Inclusão de jovens. Trajetória escolar.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/2317-1219rf.v4i2.12485

Revista entreideias: educação, cultura e sociedade, desde 2012. ISSN: 2317-1219 (online)
www.entreideias.ufba.br
Antiga Revista da FACED, desde 1994