VIVÊNCIAS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO COTIDIANO DO SISTEMA PENAL

Ana Amélia Melo Soares, Gabriela Miranda de Oliveira Castro, Isabelle Elias Monteiro de Almeida, Luciana Alves Silveira Monteiro, Lilian Machado Torres

Resumo


Objetivo: compreender o cotidiano vivido pela equipe de Enfermagem no sistema penal. Método: pesquisa qualitativa realizada com quatro enfermeiros e dois técnicos de Enfermagem de um Centro de Remanejamento Prisional, em Minas Gerais, Brasil. Os dados foram coletados por meio de entrevista entre junho e julho de 2018, e analisados com base no referencial de Minayo. Resultados: emergiram quatro categorias temáticas: “percepção do cuidado de Enfermagem à pessoa privada de liberdade”; “dificuldades para prestar assistência no presídio”; “sensação de invisibilidade do cuidado de Enfermagem no sistema prisional”; e “ambiguidade de sentimentos ao cuidar da saúde no sistema prisional.” Conclusão: o ambiente prisional não favorece ações concretas de promoção da saúde e prevenção de agravos. O enfrentamento viria com educação permanente, reuniões clínico-administrativas, além da construção de protocolos e diretrizes que sistematizem e sustentem as práticas.

Descritores: Assistência à saúde. Enfermagem. Prisões. Prisioneiros.

 

Descritores: Assistência à saúde. Enfermagem. Prisões. Prisioneiros.

 


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v34.34815

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt