FATORES INTERVENIENTES NO ACOLHIMENTO À PESSOA COM SUSPEITA DE DOENÇA CEREBROVASCULAR

Alice de Andrade Santos, Larissa Chaves Pedreira, Nadirlene Pereira Gomes, Juliana Costa Ribeiro-Barbosa, Nildete Pereira Gomes, Catia Maria Costa Romano

Resumo


Objetivo: identificar fatores intervenientes no acolhimento à pessoa com suspeita de doença cerebrovascular. Método: pesquisa qualitativa com 16 enfermeiros atuantes no acolhimento de um hospital referência para doença cerebrovascular do estado da Bahia, Brasil. Para coleta de dados realizou-se Grupo Focal; para análise, o Planejamento Estratégico Situacional de Matus. Resultados: o acesso às tecnologias e a implantação do protocolo de classificação de risco foram fatores positivamente intervenientes no acolhimento. Contudo, déficits na infraestrutura hospitalar, inexistência de equipe de apoio na porta de entrada, ausência de capacitação profissional, desinformação dos acompanhantes e fragilidades na Rede de Atenção à Saúde comprometeram o acolhimento. Conclusão: os fatores intervenientes no acolhimento à pessoa com suspeita de doença cerebrovascular exigiam uma gestão estratégica com base no Planejamento Estratégico Situacional capaz de intervir na otimização da administração dos recursos disponíveis, tanto para investir e valorizar os pontos fortes quanto para priorizar a resolução dos pontos considerados comprometedores e agravantes.

Descritores: Acidente Vascular Cerebral. Acolhimento. Planejamento Estratégico. Serviço Hospitalar de Enfermagem.


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v33.28018

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt