PERFIL E MOTIVOS DE NEGATIVAS DE FAMILIARES PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE

Renata Souza Aranda, Juliana Graciela Vestena Zillmer, Kamila Dias Gonçalves, Adrize Rutz Porto, Eduarda Rosado Soares, Aline Kohler Geppert

Resumo


Objetivo: descrever o perfil de familiares e de potenciais doadores e os motivos de negativas para doação de órgãos e tecidos para transplantes. Método: estudo quantitativo, transversal, com coleta de dados por meio do formulário de entrevista familiar, realizado de 2008 a 2014, no Sul do Brasil. Resultados: o potencial doador predominantemente era do sexo masculino, entre 41 e 60 anos, casado, doador de córneas, e o familiar, de primeiro grau. Houve negativa familiar para doação de órgãos em 74,9% do total de 630 prontuários. Entre as 472 negativas: 20,8% por desconhecimento da vontade do potencial doador, 17,6% pela convicção prévia de não ser um doador e 13,8% por desacordo familiar. Conclusão: a descrição do perfil de familiares e de potenciais doadores e a identificação dos principais motivos da não doação podem contribuir para o planejamento e desenvolvimento de intervenções que estimulem a doação de tecidos e órgãos.
Descritores: Obtenção de Tecidos e Órgãos. Doador Cadáver. Família. Estudos Epidemiológicos. Enfermagem.


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.27560

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt