VIVÊNCIAS DE MÃES QUE TIVERAM FILHOS COM MICROCEFALIA

Mayra Cordeiro Oliveira, Rita de Cássia Rocha Moreira, Maricélia Maia Lima, Rosana Oliveira Melo

Resumo


Objetivo: compreender as vivências de mães que tiveram filhos com microcefalia. Método: estudo qualitativo realizado com oito mulheres, maiores de 18 anos. Foi aplicada a técnica da entrevista semiestruturada em abril de 2017. Para a análise dos dados, utilizou-se a técnica de análise de conteúdo. Resultados: emergiram três categorias analíticas: a vivência do diagnóstico da microcefalia: ótica de mães; encontros e (des)encontros dos pais e da família no cuidado à criança com microcefalia; aprendizado com os desafios da microcefalia. As falas revelaram a força de vontade e a determinação das mães no enfrentamento das dificuldades, apesar da vivência marcada por expressões de sofrimento e dor. Conclusão: a situação vivenciada por mães que tiveram filhos com microcefalia gera incertezas em relação ao futuro do filho, altera a dinâmica familiar, a relação do casal, o rendimento financeiro e determina a opção de abandonar o trabalho profissional para cuidar do filho.
Descritores: Mães. Microcefalia. Cuidado da Criança. Zika Vírus.


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.26350

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt