PERCEPÇÕES DE MULHERES QUE VIVENCIARAM A PEREGRINAÇÃO ANTEPARTO NA REDE PÚBLICA HOSPITALAR

Rafaela Lira Mendes Costa

Resumo


Objetivo: analisar as percepções de mulheres que vivenciaram a peregrinação anteparto na rede pública hospitalar. Método: estudo descritivo, exploratório, qualitativo, com 37 mulheres internadas no alojamento conjunto de um hospital público em Arapiraca, Alagoas, Brasil. Os dados, coletados no período de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017, foram submetidos à análise de conteúdo na modalidade temática. Resultados: preocupação com o bem-estar do bebê, medo de parir em via pública, sensação de abandono resultante da falta de acolhimento nas maternidades e insatisfação por terem percorrido longas distâncias até os serviços de saúde foram as principais inquietações expressadas pela maioria das mulheres. Conclusão: a compreensão sobre experiências femininas durante o processo da peregrinação anteparto na rede pública hospitalar permitiu desvelar o quanto as mulheres ainda sofrem nas portas das maternidades em busca de assistência para o parto.

Descritores: Saúde da mulher. Acesso aos serviços de saúde. Violência contra a mulher. Enfermagem obstétrica. Gravidez. Direitos da mulher.


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.26103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt