EXPERIÊNCIAS MATERNAS DIANTE DA TRANSFERÊNCIA DO FILHO PARA A UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Amanda Stephanie de Sousa, Luciana Palacio Fernandes Cabeça, Marcela Astolphi de Souza, Luciana de Lione Melo

Resumo


Objetivo: compreender experiências de mães de crianças transferidas da Unidade de Internação para a Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Método: estudo fenomenológico, com 13 mães entrevistadas no ano de 2016, com
base na questão norteadora: Como foi receber a notícia de que seu filho seria transferido para a Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica? Resultados: as mães revelaram suas experiências diante da notícia da transferência do filho para
a Unidade de Terapia Intensiva, da dor do anúncio da notícia até o desejo de acolhimento, perpassando pela crença sobre a piora das condições clínicas e o medo de perder o filho, além do alívio ao reconhecer as necessidades dele
atendidas. Conclusão: a transferência do filho para a Unidade de Terapia Intensiva mostrou-se como um momento doloroso para as mães, independente de elas terem ou não experiências prévias, evidenciando a importância de se
considerar a singularidade de cada família.

Descritores: Comunicação. Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Família. Enfermagem pediátrica.

 

 


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.25160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt