O CUIDADO PATERNO AO FILHO PREMATURO HOSPITALIZADO: REPRESENTAÇÕES MATERNAS

Jéssyca de Oliveira Santana, Karen Isadora Borges, Daniele Amaral de Souza, Keli Regiane Tomeleri da Fonseca Pinto, Edilaine Giovanini Rossetto, Adriana Valongo Zani

Resumo


Objetivo: conhecer as representações maternas sobre o significado do cuidado paterno ao filho prematuro internado em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Método: estudo qualitativo com 15 mães entrevistadas entre maio a dezembro de 2016. Para análise, utilizou-se o referencial das Representações Sociais, seguindo-se o método do Discurso do Sujeito Coletivo. Resultados: emergiram cinco ideias centrais: o cuidado do pai com o filho prematuro gera satisfação para a mãe; valorizando a necessidade de aprendizado do pai para o cuidado do filho; valorizando a importância do pai no cuidado ao filho hospitalizado; incertezas frente a capacidade do pai para realizar cuidados e medos e avanços no processo de cuidar. Conclusão: a presença paterna na promoção de cuidados, de modo geral, gerou sentimentos positivos nas mães reforçando a necessidade da permanência do pai na unidade neonatal, proporcionando apoio emocional para a mãe e fortalecimento do vínculo familiar.
Descritores: Unidades de Terapia Intensiva Neonatal. Prematuro. Família. Cuidados de Enfermagem.


Palavras-chave


Unidades de Terapia Intensiva Neonatal; Prematuro; Família; Cuidados de Enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v31i4.22310

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt