COGNIÇÃO E CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS QUE RESIDEM SÓS E COM FAMILIARES

Bruna Stamm, Marinês Tambara Leite, Leila Mariza Hildebrandt, Rosane Maria Kirchner, Nara Marilene Oliveira Girardon-Perlini, Margrid Beuter

Resumo


Objetivo: avaliar a associação entre cognição e capacidade funcional de idosos que residem sós e com familiares. Método: estudo transversal, analítico, realizado com uma amostra de 368 idosos residentes em zona urbana de um município do interior do Rio Grande do Sul, Brasil, entre março de 2011 a julho de 2012. Para obtenção dos dados utilizou-se instrumento de caracterização sociodemográfico específico, o Miniexame do Estado Mental e a Escala de Lawton-Brody. Resultados: dos idosos participantes, 79,4% residiam com familiar(es) e 20,6%  moravam sós. Em relação ao nível cognitivo, 43,8% dos idosos não apresentaram déficit e 55,4% possuíam déficit cognitivo. Quanto à capacidade funcional, 88,9% idosos eram independentes e 11,1% tinham dependência parcial para a realização das atividades instrumentais de vida diária. Conclusão: não houve associação significativa entre cognição e capacidade funcional nos idosos que residiam sós e com familiares.

Descritores: Idoso; Cognição; Atividades cotidianas; Família.


Palavras-chave


Idoso; Cognição; Atividades cotidianas; Família; Enfermagem

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v31i2.17407

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.