FORMAÇÃO PROFISSIONAL E NOTIFICAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Kátia Cordélia Cunha Cordeiro, Raiane Moreira Santos, Nadirlene Pereira Gomes, Daniela Santos Melo, Rosana Santos Mota, Telmara Menezes Couto

Resumo


Pesquisa com abordagem quanti-qualitativa com o objetivo de conhecer a caracterização de profissionais que atuam na Estratégia Saúde da Família e identificar a relação entre formação profissional e notificação da violência contra a mulher na ESF. O estudo foi realizado com 35 profissionais de saúde atuantes em 20 Unidades de Saúde Familiar em Salvador, Bahia, Brasil. O estudo mostrou que a temática violência contra mulher não foi abordada na graduação de 68,5% dos profissionais e na pós-graduação de 71,4% dos entrevistados. Para os demais, a abordagem se deu de forma superficial e pontual. Com relação à educação em serviço, 65,7% declaram que a temática não é foco de discussão em capacitações nem reuniões. Considerando que 82,9% dos profissionais nunca notificaram, sinaliza-se para a relação entre abordagem da temática em serviço e nos currículos de acadêmicos com a notificação do agravo. 


Palavras-chave


Desenvolvimento de pessoal; Capacitação profissional; Notificação; Violência contra a mulher; Atenção primária à saúde

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v29i3.13029

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt