COTIDIANO DE FAMÍLIAS QUE CONVIVEM COM O AUTISMO INFANTIL

Elisangela Argenta Zanatta, Ediane Menegazzo, Andréa Noeremberg Guimarães, Lucineia Ferraz, Maria da Graça Corso da Motta

Resumo


Pesquisa qualitativa, realizada em 2012, com o objetivo de conhecer o cotidiano de famílias que convivem com o autismo infantil.  Foram entrevistados seis familiares que convivem com crianças autistas, de um município do Oeste Catarinense. As informações foram coletadas por meio de entrevista semiestruturada e interpretadas seguindo a análise de conteúdo. Os resultados mostram que conviver com o autismo é para a família uma tarefa árdua, difícil, cansativa e, por vezes, dolorosa. Também revelam as dificuldades e o longo caminho percorrido pelos pais para chegar ao diagnóstico, trazem à tona o isolamento social que ocorre nas famílias, a sobrecarga materna física, psíquica e emocional. Conclui-se que há necessidade de fortalecer as redes sociais de apoio aos familiares e às crianças visando oferecer a eles suporte técnico e emocional para vencer a cada dia os desafios impostos pelo autismo.


Palavras-chave


Família; Enfermagem; Transtorno Autístico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v28i3.10451

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

ISSN 2178-8650 (eletrônico)

ISSN 0102-5430 (impresso)  

Licença Creative Commons
A Revista Baiana de Enfermagem utiliza a Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Revista Baiana de Enfermagem é membro da Associação Brasileira de Editores Científicos.

http://www.revenf.bvs.br/scielo.php?lng=pt