Imagem-vestígio: do relance à resistência // Image-trace: from the glance to the resistance

Siomara Gomes Faria

Resumo


O artigo discute a presença das imagens de arquivo no cinema de Harun Farocki, realizador alemão cujo trabalho problematiza, em linhas gerais, as formas de exercício do poder, sejam aquelas que emergem dos conflitos geopolíticos, sejam aquelas que se disseminam por meio das mais diversas práticas sociais (formas de controle e vigilância, tecnologias de produção e circulação de imagens, estratégias do consumo, da informação e da publicidade). A partir do filme Imagens do mundo e inscrições da guerra (Harun Farocki, 1988), buscamos refletir sobre a relação entre as imagens de arquivo e os processos históricos acionados por esses registros, observando como Farocki monta as imagens em filmes que evocam o passado em sua própria materialidade, isto é, em seus vestígios.

Palavras-chave


Cinema. Arquivo. Montagem.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v11i1.6372