A formatação da audição (A instituição sóciohistórica dos modos de escuta musical) // The hearing formatting (the inscription of musical listening modes in the field of tonality)

Monclar Valverde

Resumo


Enquanto atividade voltada ao compartilhamento, a expressão musical (assim como qualquer forma de expressão, embora de maneira diferente) está submetida a um quadro de referências, que é de caráter histórico e social, e que, portanto, a ultrapassa, mas, ao mesmo tempo, a viabiliza, como horizonte que serve de fundo a sua aparição. Ao condensar, de forma espontaneamente seletiva, a práxis receptiva que lhe serve de referência (tanto no espaço quanto no tempo), tal enquadramento situa e determina a escuta, diferenciando-a em gêneros, formas e formatos. Ao mesmo tempo, a explicitação dessa delimitação provoca novas iniciativas expressivas e estabelece uma tradição criativa. Desse modo, tal campo de diferenciações e gradações estilísticas é o que há em comum entre as propostas poéticas e sua vigência estética, a ponte entre os criadores e seu(s) públicos(s) e a ponte entre as manifestações musicais das diversas épocas. Nossa reflexão procura mostrar o que está por trás do modo como escutamos o que ouvimos (e o que não ouvimos...), e o que nos torna capazes de identificar-lhe a forma, atribuir-lhe sentido e conferir-lhe valor, procurando relativizar a importância atribuída à produção do presente.

Palavras-chave


Audição, instituição, música

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v10i1.5826