Silêncios, os sons dos rios, os sons das cidades: Los Muertos e Liverpool // Silences, sounds of the Rivers, sounds of the cities: Los Muertos and Liverpool

Fernando Morais da Costa

Resumo


Análise das relações entre sons e imagens em Los Muertos e Liverpool, do cineasta argentino Lisandro Alonso. Interessa-nos especificamente o papel narrativo dos ruídos e dos sons ambientes, o espaço de destaque dado a tais elementos, em contraposição à pouca presença de músicas e diálogos, e em conjunto com a utilização contumaz do plano-sequência. Assim, o objetivo maior desta comunicação seria investigar como contribuem para a construção temporal que caracteriza a obra de Alonso os sons ambientes e os ruídos diegéticos. Interessa-nos ainda, secundariamente, estabelecer relações entre os filmes analisados e outros representantes de um cinema que prescinde dos diálogos e de suas funções narrativas quase sempre centrais, assim como relembrar a ideia, sempre problemática em sua definição, de um cinema de poesia.

Palavras-chave


som; cinema; ruído

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v10i1.5798