A maternidade e a distinção de classe nas narrativas de mulheres de Claudia e Zero Hora // Maternity and class distinction within women’s narratives

Ana Carolina Escosteguy, Jessica de Souza Barbosa

Resumo


O artigo se propõe analisar dois conjuntos de narrativas de mulheres veiculadas em duas plataformas da mídia impressa: o jornal Zero Hora (maio de 2008) e a revista Claudia (maio de 2011). Ambas denominam as protagonistas das histórias de “mães coragem”. Pretende-se destacar as diferenças decorrentes das distintas posições de classe social, reveladas através dos valores associados ao papel de mãe, exercido por essas mulheres. Este estudo contempla as bases metodológicas dos estudos culturais, ao qual se associa uma perspectiva cultural do jornalismo, entendendo o texto jornalístico como naturalmente impregnado por sistemas simbólicos, convenções e valores. Os resultados da análise revelam que ZH e Claudia colocam em circulação representações que reduzem a identidade feminina ao exercício da maternidade. No entanto, em relação às diferentes posições de classe, ZH cria a falsa impressão que nossos problemas sociais podem ser resolvidos, bastando para isso empenho e mérito individual das mulheres-mães de classes desprivilegiadas.

Palavras-chave


jornalismo; maternidade; classe social

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v9i3.5435