Direção de arte em Zama e Joaquim como materialização de identidades híbridas latino-americanas // Zama and Joaquim. Production design as materialization of Latin American hybrid identities

Ignacio Del Valle Dávila, Tainá Xavier

Resumo


O presente artigo visa analisar as operações estéticas e narrativas envolvidas no processo de materialização mobilizado pela direção de arte na construção do espaço cênico e caracterização dos personagens Zama (Daniel Giménez Cacho) e Joaquim (Julio Machado) nos filmes homônimos a esses personagens, lançados em 2017 e dirigidos por Lucrecia Martel e Marcelo Gomes, respectivamente. Por retratarem representantes das Coroas Espanhola e Portuguesa nascidos na colônia os filmes apresentam jogos de construção indentitária de seus protagonistas no limite entre a afirmação da distinção do colonizador e suas próprias experiências materiais em território colonial, expressos através de sistemas significantes visuais operados pelos figurinos e caracterização de personagens, ambientação e objetos de cena.

Palavras-chave


Diferença Colonial; Direção de arte; Zama; Joaquim

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/contemporanea.v17i3.33670