A Política do Nome Social na UFSC: reflexões sobre inclusão e cidadania

Claudia Lazcano

Resumo


O artigo se propõe reconstruir/percorrer a trajetória de criação e implementação da política do nome social para pessoas trans na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) durante a década de 2010, bem como analisar seus principais impactos para as pessoas trans e a instituição. Analisam-se, para isso, os sentidos que são tecidos em torno dessa política, assim como as principais dificuldades que ela ainda enfrenta, reconstruindo-se os percursos e campos de disputa pelos quais tem transitado. Para alcançar os objetivos, procede-se à recompilação e à análise de investigações e de documentos relativos ao processo de formulação e implementação das resoluções normativas que asseguram esse direito na UFSC, assim como artigos a esse respeito publicados pelas primeiras pessoas trans a estudar nessa Universidade. Através do cruzamento desses dados e informações, recupera-se parte da memória histórica da luta e participação na formulação e/ou na avaliação das resoluções sobre o nome social na UFSC e discute-se a potência subversiva do uso do nome social frente ao ritual estatal de controle dos corpos e/ou de apagamento deles no espaço público. Finalmente, reflete-se sobre a política como um mecanismo de inclusão e permanência nos espaços institucionais, mas também como um posicionamento político-ativista, uma forma de resistência e de garantia da trans-cidadania.


Palavras-chave


Nome Social, Políticas Públicas, Trans-Cidadania, Inclusão, Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cgd.v6i1.35868



Direitos autorais 2020 Cadernos de Gênero e Diversidade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 Cadernos GenDiv, Salvador, BA, Brasil. e-ISSN: 2525-6904

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.