Ser Pardo: o limbo identitário-racial brasileiro e a reivindicação da identidade

Lauro Felipe Eusébio Gomes

Resumo


Este artigo busca apontar a necessidade de pensar-se o racismo por meio da perspectiva dos produtos da miscigenação brasileira: os pardos, já que o embranquecimento foi, no Brasil, uma estratégia de genocídio da população negra e indígena. Por isso, o texto é uma confluência entre teorias sobre a miscigenação e a narrativa do autor, visando construir um corpo de denúncia ao limbo identitário-racial por intermédio do entendimento sobre o surgimento do sujeito pardo e de sua situação. Nesse sentido, o artigo é divido em quatro partes. A primeira trata da criação do limbo onde a historicidade da miscigenação brasileira é evocada. A próxima seção, “O limbo e suas características”  demonstra as características da situação do pardo no Brasile  como ela  é descrita socialmente; a terceira, “A saída do limbo”, pretende refletir sobre a necessidade (ou não) da autodefinição (e reinvindicação) racial do pardo, como negro, e as maneiras possíveis para fazê-lo. A quarta e última seção apresenta as considerações finais e perspectivas para novas produções sobre o tema.


Palavras-chave


Racismo estrutural, Miscigenação, Identidade racial, Mulheres negras, Pardo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cgd.v5i1.31930



Direitos autorais 2019 Cadernos de Gênero e Diversidade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.