A Crítica Feminista de Marilyn Strathern à Antropologia em Papua-Nova Guiné

Jade Alcântara Lôbo

Resumo


Marilyn Strathern é uma das maiores referências dos dias atuais de pesquisa de gênero dentro da antropologia. Seus estudos permitiram profundas discussões sobre a assimetria sexual, divisão sexual do trabalho e parentesco. A partir de suas pesquisas com os povos das Terras Altas da Papua-Nova Guiné, Strathern teceu uma importante crítica a etnografias que cometeram grandes equívocos na compreensão das relações de gêneros ao importar noções ocidentais para compreender comunidades situadas fora do ocidente. Assim, através de uma revisão teórica de algumas pesquisas de Strathern, o objetivo deste artigo é discutir a necessidade de uma revisão crítica da antropologia ao propor uma análise das relações de gênero em sociedades que não são a da/o antropóloga/o, ou seja, que não compartilham necessariamente as mesmas categorias, como a noção de “sujeito”, “objeto”, “propriedade” e “coisa”, que a/o antropóloga/o.



Palavras-chave


Marilyn Strathern; Gênero; Papua-Nova Guiné.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/cgd.v6i1.31862



Direitos autorais 2020 Cadernos de Gênero e Diversidade

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 Cadernos GenDiv, Salvador, BA, Brasil. e-ISSN: 2525-6904

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.