Autogestão em Marcuse

Cristian Arão Silva Jesus

Resumo


O conceito de autogestão é extremamente importante para a proposta marcuseana de mudança social. O conceito de autogestão remete a um tipo de organização social horizontal, cooperativista e dependente de democracia direta. Essa forma organizativa, que primeiramente foi reivindicada pelo anarquismo, está também presente nos últimos textos de Marx, bem como foi utilizada por uma série de marxistas, que receberam o adjetivo de conselhistas, chamados também de autogestionários. Tal tema foi debatido exaustivamente por volta da
década de vinte do século passado, construindo uma oposição ao marxismo-leninismo. Rosa Luxemburgo, Karl Liebknecht, Anton Pannekoek, dentre outros, compõem esse grupo de marxistas que propunham uma forma mais horizontal de organização. Marcuse, vivenciou o modelo autogestionário durante o tempo que foi membro da Liga Spartacus em sua juventude, movimento que tinha como principal referência Rosa Luxemburgo. No primeiro momento de sua obra, muito influenciado por esse fato, afirma a necessidade de um Partido que tome o poder político e transforme a sociedade. Posteriormente passa a propor uma mudança social que não decorra do assalto ao poder central, mas sim da tomada dos meios de produção de forma espontânea e organizada. Dessa forma, Marcuse, no início de sua carreira intelectual, se mantém muito próximo das ideias de Luxemburgo, mas em sua última fase desenvolve uma concepção de autogestão original se afastando, de certa forma, do conselhismo clássico.


Texto completo:

PDF

Referências


MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro:

Zahar editores, 1973a.

____. An essay on liberation. Boston: Beacon Press, 2000.

____. Contra-revolução e revolta. Rio de Janeiro: Zahar editores,

b.

____. Eros e civilização. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1975.

____. Marxism, revolution and utopia. New York: Routledge, 2014.

____. Marxismo Soviético. Rio de Janeiro: Editora Saga, 1969.

____. Tecnologia, guerra e fascismo. São Paulo: Fundação da Editora da

Unesp, 1998.

LENIN, Vladimir. Obras escolhidas, v.3. São Paulo: Alfa-ômega, 1977.

____. O que fazer? São Paulo: Martins Editora, 2006.

____. O Estado e a Revolução. Campinas: FE Unicamp, 2011.

LUXEMBURGO, Rosa. A Revolução Russa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991.

____. Reforma ou revolução? São Paulo: Expressão popular, 2006.

MARX, Karl. A Guerra Civil na França. São Paulo: Boitempo, 2011.

ÖCALAN, Abdullah. Guerra e paz no Curdistão: Perspectivas para uma

solução política da questão curda. International Initiative, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.