BEHAVIORISMO RADICAL: ESBOÇANDO PRESSUPOSTOS, DISSIDÊNCIAS E ENTRELAÇAMENTOS FILOSÓFICOS

Silier Andrade Cardoso Borges

Resumo


Observa-se que a Análise do Comportamento se constitui usualmente enquanto
campo do saber que envolve os conhecimentos aplicado e conceitual, mas é fato que incursões destacavelmente teórico-filosóficas ainda são escassas, casuais e comumente relegadas a segundo plano. A relevância da presente pesquisa consiste em possibilitar uma breve análise comparativa, através de levantamento bibliográfico de obras pertinentes, dos pressupostos téoricos  conceituais de autores diversos como Friedrich Nietzsche e Pedro Demo. A partir
desta investigação, objetiva-se esboçar possíveis entrelaçamentos destes à filosofia da ciência do comportamento proposta por B. F. Skinner. Através da investigação filosófica, almeja-se estabelecer contornos nítidos entre definições precedentes ao Behaviorismo Radical, como mecanismo elucidador de definições como indutivismo, relação funcional, liberdade, mentalismo, modelo de causalidade, determinismo, método científico, probabilismo e selecionismo. Com o presente estudo, evidencia-se que a Análise do Comportamento se constitui enquanto ciência em dois movimentos: ao efetivar-se empiricamente, bem como ao abarcar pressupostos filosóficos que alicerçam seu campo conceitual.

 

Texto completo:

PDF

Referências


CARRARA, K. Causalidade, relações funcionais e contextualismo:

algumas indagações a partir do behaviorismo radical. Interações. 2004,

(17), 29-54.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. 2. ed. São Paulo: Atlas,

(obra original publicada em 1983).

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. 3. ed. São Paulo:

Atlas, 1995. (obra original publicada em 1980).

GUIMARÃES, R. P. Algumas relações entre behaviorismo radical e

determinismo: uma análise de publicações de diferentes autores.

Revista Brasileira de Análise do Comportamento. 2008, 4 (1), 89-110.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo:

Perspectiva, 2009. (obra original publicada em 1962).

LATTAL, K. A. Ciência, tecnologia e análise do comportamento.

ABREU-RODRIGUES, J; RIBEIRO, M. R (org.). Análise do comportamento:

pesquisa, teoria e aplicação. Porto Alegre: Artmed, 2005.

LAURENTI, C. Criatividade, liberdade e dignidade: impactos do

darwinismo no behaviorismo radical. Scientiæ Zudia, 2009, 7 (2), 251-69.

LAURENTI, C. Determinismo, probabilidade e análise do

comportamento. Temas em Psicologia. 2008, 16 (2), 171-183.

LAURENTI, C. Hume, Mach e Skinner: a explicação do

comportamento. Dissertação (mestrado). São Carlos: UFSCar, 2004.

LAURENTI, C; LOPES, C. E. Explicação e descrição no behaviorismo

radical: identidade ou dicotomia? Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2009,

(1), 129-136.

NIETZSCHE, F. W. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras,

(obra original publicada em 1882).

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das

Letras, 2009. (obra original publicada em 1887).

NIETZSCHE, F. W. Humano, demasiado humano: um livro para

espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. (Obra original

publicada em 1878).

POPPER, K. R. Em busca de um mundo melhor. São Paulo: Martins, 2006.

SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano. 10 ed. São Paulo:

Martins Fontes, 2008. (obra original publicada em 1953).

SKINNER, B. F. O mito da liberdade. 3 ed. São Paulo: Summus, 1983.

SKINNER, B. F. Questões recentes na análise comportamental. 2 ed.

Campinas: Papirus, 1995. (obra original publicada em 1989).

SKINNER, B. F. Sobre o behaviorismo. São Paulo: Cultrix, 2006. (obra

original publicada em 1974).

TOURINHO, E. Z. Behaviorismo: A produção de conhecimento em

psicologia: a análise do comportamento. Psicologia Ciência e Profissão.

, 23 (2), 30-41.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.