Como pensar o elemento servil: o lugar dos libertos nas expectativas das elites após a emancipação

Aline Najara da Silva Gonçalves, Álvaro Pereira do Nascimento

Resumo


Este artigo apresenta uma análise, à luz de historiografia referente aos processos de emancipação e pós-abolição no Brasil, de quatro publicações que versam sobre os caminhos para a eliminação gradual da escravidão. Nas páginas analisadas, veem-se propostas e regras que vislumbravam, em larga medida, assegurar os privilégios de proprietários de pessoas escravizadas e definir o lugar dos libertos na sociedade, garantindo que as hierarquias sociais, políticas, econômicas e raciais existentes no período permanecessem nas décadas posteriores. Além do impacto das leis emancipacionistas sobre o futuro de senhores e escravizados em fins do século XIX, os escritos de uma parteira, um progressista, um intelectual e um médico expressaram propostas sobre como conduzir a nação brasileira para um futuro no pós-abolição.


Palavras-chave


pós-abolição – elemento servil – Império.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/aa.v0i60.29880

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 


ISSN 0002-0591 (impresso) | 1981-1411 (online)