Raça e cidadania no pós-abolição maranhense (1888-1889)

Matheus Gato

Resumo


A emancipação dos últimos escravos afro-brasileiros foi sancionada numa só penada, mas chegou de diversas maneiras ao norte e ao sul país, conforme o desenvolvimento da economia e sua função no sistema agroexportador, a preponderância ou não da população negra e mestiça nas províncias, cidades, comarcas e povoados, a importância do trabalhador livre nas diferentes agriculturas escravistas, a presença do incentivo estatal ou privado em favor da imigração estrangeira europeia ou asiática, o atraso ou modernização do sistema produtivo da grande lavoura, a força política do latifúndio no pós-abolição, e a relevância dos estados e regiões na condução da política brasileira. O presente artigo visa caracterizar o imediato pós-abolição maranhense tendo em vista a luta social em torno da liberdade, a legitimação de estratégias de domínio senhorial e a categorização racial enquanto critério de subordinação de grupos. Utilizo para esse fim dados primários coligidos nos jornais maranhenses e outros documentos de época correlacionando-os às descobertas da antropologia social do campesinato e da historiografia da escravidão para caracterizar a construção da cidadania negra na periferia do norte agrário brasileiro.

Palavras-chave


Raça, Emancipação, Pós-Abolição, Cor, Racismo, Re-escravização, Maranhão.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANCHES, Dunshee (1895). Memórias de Um Histórico. Rio de Janeiro: Tip. Official do Jornal do Brasil.

ALBUQUERQUE, Wlamyra (2010). “A vala comum da ‘raça emancipada’”: abolição e racialização no Brasil. In: História Social, n. 19, segundo semestre.

ALMEIDA, A. W. B. Ideologia da decadência (2008a). Amazonas: Casa 8/Fundação Universidade do Amazonas.

__________________ (2008b). “Terras de Preto, Terras de Santo, Terras de Índio – uso comum e conflito” In: Terra de quilombo, terras indígenas,” babaçuais livre”, “castanhais do povo”, faixinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PGS-UFAM.

__________________ (2006). Os quilombos e a base de lançamento de foguetes de Alcântara: laudo antropológico V.2. Brasília: MMA.

ASSUNÇÃO, Matthias (2000). “Quilombos Maranhenses”. En: Reis, João José e Gomes, Flávio dos Santos (orgs.) Liberdade por um fio. História dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

AZEVEDO, Aluízio (1881). O Mulato. São Luís. Typ. Do Paiz.

BARIKCMAN, B. J. (1998-1999) “Até a Véspera”. Afro-Ásia N. 21-22 Salvador.

CARDOSO, Fernando Henrique (2003). Capitalismo e Escravidão do Brasil Meridional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CARVALHO, José Murilo (2005). Pontos e Bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: EDUFMG.

CHALHOUB, Sidney (2012). A Força da Escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras.

COOPER, Frederik, HOLT, Thomas C. e SCOTT, Rebecca J (2005). Além da Escravidão: investigações sobre raça, trabalho, cidadania em sociedades pós-emancipação. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CORREA, Mariza (1998). As Ilusões da Liberdade: a escola de Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Bragança Paulista: EDUSF.

CUNHA, Manuela Carneiro (2012). Negros, Estrangeiros: os escravos libertos e sua volta à África. São Paulo: Companhia das Letras.

EISENBERG, PETER (1989). Homens Esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – séc. XVIII e XIX. Campinas: Editora da UNICAMP.

FERREIRA, Justo Jansen. O Parto na Espécie Negra. Rio de Janeiro: Tipografia LAMMERT & C., 1887.

FANON, Franz (2005). Os Condenados da Terra. Juiz de Fora: Editora UFJF.

FARIA, Regina Helena (2012). Mundos do Trabalho no Maranhão Oitocentista: os descaminhos da liberdade. São Luís: EDUFMA, 2012.

___________________“Demografia, escravidão africana e agroexportação no Maranhão oitocentista”. Ciências Humanas em Revista, São Luís, v. 2, 2004a.

____________________. Controle Social e Resistência em Tempos de Liberdade: os Ecos da Escravidão. Comunicação na SBPC Regional. São Luís: 2004b (Manuscrito).

FERNANDES, Florestan (2008). A Integração do Negro na Sociedade de Classes: o legado da raça branca Vol 1. São Paulo Paulo: Global.

FRAGA FILHO, Walter (2006). Encruzilhadas da Liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia (1870-1910). Campinas: Unicamp.

GARCIA, Afrânio (1988). “Libertos e Sujeitos: sobre a transição para trabalhadores livres do nordeste.”. Revista Brasileira de Ciências Sociais V. 3 N. 7, São Paulo jun.

GOMES, Flavio dos Santos (2007). “Roceiros, Mocambeiros e as fronteiras da emancipação no Maranhão" In: CUNHA, Maria Olivia Gomes & GOMES, Flavio dos Santos. Quase-Cidadão: histórias e antropologias da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora.

GUIMARÃES, Antonio Sergio (2008). Preconceito Racial: modos, temas e tempos. São Paulo: Cortez.

IANNI, Octavio (1962). As Metamorfoses do Escravo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

MATTOS, Hebe (2013). Das Cores do Silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista (Brasil, século XIX). Campinas: Editora da Unicamp.

MELLO, Evaldo Cabral de (1999). O Norte Agrário e o Império. Rio de Janeiro: Topbooks.

MESQUITA, Francisco de Assis Leal (1987). Vida e morte da economia algodoeira do Maranhão: uma análise das relações de produção na cultura do algodão (1850-1890). São Luís: EDUFMA.

MORAES, Nascimento (1915). Vencidos e Degenerados. São Luis: Tip. Ramos d´Almeida.

RAMOS, Guerreiro (1995). Introdução Crítica à Sociologia Brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Uerj.

SOARES, Luiz Eduardo (1981). Campesinato: Ideologia e Política. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

SOUZA FILHO, Benedito (2008). Bom Sucesso: terra de preto, terra de santo, terra comum. São Luís: EDUFMA.

SCHWARCZ, Lilia K (1993). Espetáculo das Raças. São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

SKIDMORE, Thomas (1976). Preto no Branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. São Paulo: Paz e Terra.

REIS, Flávio (2013). Grupos Políticos e Estrutura oligárquica no Maranhão. São Luís: Edição do Autor.

TOMICH, Dale (2011). Pelo Prisma da Escravidão: trabalho, capital e economia mundial. São Paulo: Edusp.

OUTROS MATERIAS

Periódicos

A Pacotilha (1889-1889)

O Paiz (1888-1889)

Diário do Maranhão (1877-1889)




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/aa.v0i59.28376

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 0002-0591 (impresso) | 1981-1411 (online)