A cara da escravidão e a cara da liberdade: honra e infâmia (Corte do Brasil, 1809-1833)

Roberto Guedes Ferreira, Ana Paula Boscaro

Resumo


Referente ao Sul-Sudeste escravista do Brasil nas três primeiras décadas do século XIX, o artigo aborda assunto pouco conhecido pela historiografia: literalmente, a cara da escravidão e a cara da liberdade. A construção da face nesta sociedade escravista estava relacionada à infâmia da escravidão e à honra da liberdade, o que levou a diferentes percepções/classificações dos rostos por agentes da Polícia da Corte do Brasil. Protagonistas de suas aparências, homens livres, forros e escravos, de diferentes naturalidades, tiveram seus “retratos falados” descritos conforme suas condições jurídicas, origens e faixas etárias. Eram homens em trânsito que saíam do Rio de Janeiro para vários destinos. A barba era um atributo crucial para atestar honra-liberdade, e sua ausência ou pouco volume caracterizavam faces escravas. Para aferir a hipótese, utilizamos despachos de escravos e passaportes de viajantes emitidos pela Polícia da Corte entre os anos de 1809 a 1833, cruzados a gravuras de viajantes e dicionários de época.

 


Palavras-chave


cara; escravidão; liberdade; século XIX.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, J. R. Por entre as frestas das normas: nobreza da terra, elite das senzalas e pardos forros em uma freguesia rural do Rio de Janeiro (São Gonçalo, sécs. XVII-XVIII). Rio de Janeiro: UFRJ, PPGHIS. Dissertação de Mestrado, 2015.

AGUIAR, J; GUEDES, R. Pardos e pardos forros: agentes da escravidão e da mestiçagem (São Gonçalo do Amarante, Rio de Janeiro, século XVIII). In GUEDES, R; FRAGOSO, J. (Org.). História social em registros paroquiais (Sul-Sudeste do Brasil, séculos XVIII-XIX). Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

ALGRANTI, L. M. O feitor ausente: estudos sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro (1808-1822). Petrópolis: Vozes, 1988.

APPIAH, A. O código de honra: como ocorrem as revoluções morais. SP: Cia das Letras, 2012, pp. 17-18.

BERUTE, G. O comércio de africanos ladinos e crioulos: vila do Rio Grande (1812-1822). História Unisinos, v. 10, p. 259-272, 2006.

BERUTE, G. Rio Grande de São Pedro do Sul, c. 1790-c. 1830: tráfico negreiro e conjunturas atlânticas. In: Regina Célia Xavier Lima. (Org.). Escravidão e liberdade: temas, problemas e perspectivas de análise. São Paulo: Alameda, 2012, v. 1, p. 207-228.

BRETAS, M; ROSENBERG, A. A história da polícia no Brasil: balanço e perspectivas. Topoi, v. 14, n. 26, 2013, p. 162-173.

BRETAS, M. A polícia carioca no Império. Estudos Históricos, v. 12, n. 22, 1998, pp. 219-234. p. 122

CANDIDO, M. An African slaving port and the Atlantic world: Benguela and its hinterland. Nova York: Cambridge U.P., 2013.

EISENBERG, P. Homens esquecidos. Escravos e trabalhadores livres no Brasil. Séculos XVIII e XIX. Campinas: Editora da Unicamp, 1989.

FARIA, S. Sinhás pretas, damas mercadoras. As pretas minas nas cidades do Rio de Janeiro e de São João Del Rey (1750-1850). Niterói: UFF. Tese para concurso de Professor Titular de História do Brasil, 2005.

FERREIRA, R. Dos Sertões ao Atlântico. Rio de Janeiro: UFRJ-PPGHIS, Dissertação de Mestrado, 1997.

FIGUIREDO, L. Marcas de escravos. Listas de escravos emancipados vindos a bordo de navios negreiros (1839-1841). Rio de Janeiro: Publicações Históricas, 1990.

FINLEY, M. Escravidão antiga e ideologia moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1991.

FLORENTINO, M. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. Séculos XVIII e XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

FRAGOSO, J; GOUVÊA, M; BICALHO, F (Orgs). O antigo regime nos trópicos. A dinâmica imperial portuguesa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

FRAGOSO, J; GUEDES, R. Alegrias e artimanhas de uma fonte seriada. Os códices 390, 421, 424 e 425: despachos de escravos e passaportes da Intendência de Polícia da Corte, 1819-1833. In BOTELHO, T. et. al. (Orgs.). História quantitativa e serial no Brasil: um balanço: ANPUH-MG, 2001.

FRAGOSO, J; GUEDES, R. Tráfico de escravos, mercadores e fianças. Dois bancos de dados (despachos de escravos, passaportes e licenças). Códices 390, 411, 419, 421, 424, 425, 1000 e 1002. Relatório de Pesquisa apresentado ao IPEA, 2001.

FRAGOSO, J; MONTEIRO, N. (Orgs). Um reino e suas repúblicas no Atlântico. Comunicações políticas entre Portugal, Brasil e Angola nos séculos XVII e XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mocambos: a decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. Rio de Janeiro: Record, 2002, 13a. Ed.

GÓES, J, FLORENTINO, M. A paz das senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico. Rio de Janeiro, 1790-1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

GÓES, J. Escravos da paciência. Estudo sobre a obediência escrava no Rio de Janeiro (1790-1850). Niterói: UFF-PPGHIS. Tese de Doutorado, 1998.

GORENDER, J. O Escravismo Colonial. São Paulo: Ática, 1988, 5ª Ed.

GUEDES, R. Na pia batismal: família e compadrio entre escravos na freguesia de São José no Rio de Janeiro. Niterói: UFF. Dissertação de Mestrado, 2000.

GUEDES, Roberto. Autonomia escrava e (des) governo senhorial na cidade do Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX. In Tráfico, cativeiro e liberdade (Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 229-283.

GUEDES, R. Egressos do cativeiro: trabalho, família, aliança e mobilidade social (Porto Feliz, São Paulo, c.1798-c.1850). Rio de Janeiro: Mauad, 2008.

GUEDES, R. Senhoras pretas forras, seus escravos negros, seus forros mulatos e parentes sem qualidades de cor: uma história de racismo ou de escravidão? (Rio de Janeiro no limiar do século XVIII). In DEMETRIO, D; SANTIROCCHI, I. D; GUEDES, R. (Orgs.). Doze capítulos sobre cativar gente e governar escravos (Brasil e Angola, séculos XVII-XIX). Rio de Janeiro: Mauad X, 2017, p. 17-50.

HESPANHA, António M. Imbecillitas: as bem-aventuranças da inferioridade nas sociedades de Antigo Regime. São Paulo: Belo Horizonte: Annablume, UFMG, 2010.

HOLLOWAY, T. Polícia no Rio de Janeiro. Repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

IVO, I. P. Homens de caminho: trânsitos culturais, comércio e cores nos sertões da América portuguesa. Século XVIII. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2012.

IVO, I; PAIVA, E (Orgs.). Dinâmicas de mestiçagens no mundo moderno: sociedades, culturas e trabalho. Vitória da Conquista: Edições Uesb, 2016.

KARASCH, M. Slave Life in Rio do Janeiro, 1808-1850. Princeton: Princeton University Press, 1987.

LARA, S. Fragmentos setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LIBBY, D. Demografia e Escravidão. In Revista de História. Ouro Preto: UFOP, Depto de História, 1992.

MACHADO, C. A trama das vontades: negros, pardos e brancos na construção da hierarquia social do Brasil escravista. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.

MAIA, M. De reino traficante a povo traficado: A diáspora dos courás do Golfo do Benim para as minas de ouro da América Portuguesa (1715-1760). Rio de Janeiro: UFRJ-PPGHIS, Tese de Doutorado, 2013.

MALERBA, J. A corte no exílio; civilização e poder no Brasil às vésperas da Independência (1808-1821). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MAMIGONIAN, B. Africanos Livres. A abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MARQUESE, R. Exílio escravista: Hercule Florence e as fronteiras do açúcar e do café no Oeste paulista (1830-1879). Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, v. 24, p. 11-51, 2016.

MATHEUS, M. S.. A produção da diferença: escravidão e desigualdade social ao Sul do Império Brasileiro (Bagé, 1820-1870). Rio de Janeiro: UFRJ-PPGHIS, Tese de Doutorado, 2016.

MEMEL-FÔTE, H. Culture et nature dans les représentations africaines de l´esclavage et de la traite négrière. Cas des sociétés lignagéres. In HENRIQUES, I; SALA-MOLINS, L. (Orgs.). Déraison, esclavage et droite. Les fondaments idéologiques e juridiques de la traite négreère et de l ésclavage. Col. Mémoire des peuples. La route de l´esclavage. Éditions UNESCO, 2002, pp. 195-202.

MEMEL-FÔTE, H. L’esclavage dans les sociétés lignagères de l’Afrique noire. Exemple de la Côte d’Ivoire précoloniale, 1700-1920. Paris: École des Hautes Etudes en Sciences Sociales (Thèse pour le doctorat d’État ès lettres et sciences humaines), 1988.

MILLER, J. C. Way of death. Merchant capitalism and the Angolan slave trade, 1730-1830. Wisconsin, Wisconsin University Press,1988.

MOTTA, J. Corpos escravos, vontades livres: posse de escravos e família escrava em Bananal. São Paulo: Fapesp/Annablume, 1999.

NEDER, G. et al. A polícia na Corte e no Distrito Federal . Rio de Janeiro: PUC, 1981.

NOGUEIRA, A. Entre cirurgiões, tambores e ervas. Calunduzeiros e curadores ilegais em ação nas Minas Gerais (século XVIII). Rio de Janeiro: Garamond, 2016.

PAIVA, C; LIBBY, D. Caminhos alternativos: escravidão e reprodução em Minas Gerais do século XIX. In Estudos Econômicos. São Paulo: IPE/USP, v. 25, n. 2, p. 203-233, 1995.

PAIVA, E. Escravidão e universo cultural na colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

PAIVA, E. F. Dar nome ao novo: uma história lexical da Ibero-América, entre os séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagens e o mundo do trabalho). Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

PAIVA, E; CHAVES, M; GARCIA, M (Orgs.). De que estamos falando? Antigos conceitos e modernos anacronismos. Escravidão e mestiçagens. Rio de Janeiro: Garamond, 2016.

PARÉS, N. A formação do candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

PARREIRA, A. Quatro livros de registro de escravos, Angola (1855). Ambriz, Golungo Alto, Libongo, Tala Mugongo. In Africana Studia. 15, 2010, p. 135-150.

PATTERSON, O. Slavery and Social Death. Cambridge (MA): HUP, 1982.

RIBEIRO, A. V. O comércio das almas e a obtenção de prestígio social: traficantes de escravos na Bahia ao longo do século XVIII. Locus, v. 12, p. 9-27, 2006.

RIBEIRO, A. V. O comércio de escravos e a elite baiana no período colonial. In FRAGOSO, J; SAMPAIO, A; ALMEIDA, C. M. (Orgs.). Conquistadores e negociantes: histórias de elites no Antigo Regime nos trópicos. América Lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 311-335.

RIBEIRO, G. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

ROCHE, D. A cultura das aparências: uma história da indumentária (séculos XVII – XVIII). São Paulo: Editora Senac, 2007.

SANTOS, C. M. Les mots e les normes juridiques de l`esclavage dans la colonie portugaise d`Angola aux XVIIe et XVIIIe siecles (les mucanos comme jugmentes de liberte). In: Brésil(s): Cahiers du Brésil Contemporain. Paris: EHESS/CRBC/Maison des Sciences de l`homme, 2012, p. 139, 144.

SANTOS, C. M. Um Governo polido para Angola: Reconfigurar dispositivos de domínio (1750-c.1800). Tese de doutorado. Lisboa/UNL, Paris/EHESS, 2006.

SCHWARTZ, S. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SLENES, R. As provações de um Abraão Africano: a nascente nação brasileira na viagem alegórica de Johann Moritz Rugendas. In Revista de História da Arte e Arqueologia, n. 2. Campinas: IFCH/UNICAMP, Centro de Pesquisa em História da Arte e Arqueologia, 1995-96.

SLENES, R. Na Senzala uma Flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Brasil, Sudeste, Século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, M. A Doença e a Cura: saberes médicos e cultura popular na corte imperial. Niterói: UFF-PPGHIS, Dissertação de Mestrado, 1999.

SOARES, M. Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

STILWELL, S. Slavery and slaving in African History. Cambridge: Cambridge U. P., 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/aa.v0i59.25897

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


ISSN 0002-0591 (impresso) | 1981-1411 (online)