A formação, resistência e identidade da comunidade quilombola dos Candendês

Renato Silva Melo

Resumo


Este artigo falará sobre os quilombolas dos Candendês, comunidade situada na localidade do Ponto Chique do Martelo, distrito de Barbacena, Minas Gerais. Busca-se reconstituir aspectos da história silenciada dos Candendês, pois os silêncios dos vencidos são reveladores dos mecanismos de manipulação da memória. Na formação de quilombos estava a luta contra a intransigência de senhores que desrespeitavam os ganhos que os escravos começaram a considerar como direitos. Por conseguinte, a região de Barbacena se caracterizou pela presença de pequenos plantéis de escravos adquiridos no tráfico interprovincial. Mostra-se que o território dos Candendês teve o reconhecimento pelo Estado ao delimitar as áreas de fronteiras em 1911. E, amparando-se na documentação e nas leis, pode-se afirmar que os Candendês são os legítimos herdeiros daquelas terras da região mineira.

 

 


Palavras-chave


palavras-chave: quilombo - Candendês - direito - escravos - identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Antônio Gramsci, Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

Brasil, Código Criminal, Rio de Janeiro: Livraria Popular A. A. da Cruz Coutinho, 1877.

Brasil, Código do Processo Criminal de Primeira Instância para o Brasil, Rio de Janeiro: Typographia de Manoel José Cardoso, 1842.

Brasil, Constituição para o Império do Brasil, Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1824.

Carl Schmitt, Die legale Weltrevolution. Polítischer Mehrwert als Prämie auf juristische Legalität und Superlegalität, Der Staat, Bd. 17, Nr. 3, 1978, pp. 321-339.

David Harvey, A Experiência do Espaço e do Tempo. In: A Condição Pós-Moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural, São Paulo: Loyola, 1993.

Donald Ramos, O quilombo e o sistema escravista em Minas Gerais do século XVIII. In: João José Reis & Flávio dos Santos Gomes (Orgs), Liberdade Por Um Fio. História dos quilombos no Brasil, São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Douglas Cole Libby, “Historiografia e a formação social escravista mineira”, in Revista Acervo, Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, v.3, n.1, p.7-20, jan.-jun. 1988.

Elione Silva Guimarães, Amores ilícitos – os crimes passionais na comunidade escrava (Juiz de Fora, Minas Gerais, segunda metade do século XIX), in: Vária História, Belo Horizonte: UFMG, 2001, 165-193.

Elione Silva Guimarães, Múltiplos Viveres de Afrodescendentes na Escravidão e no Pós-Emancipação. Família, trabalho, terra e conflito (Juiz de Fora – MG, 1828-1928), São Paulo: Annablume; Juiz de Fora: Funalfa Edições, 2006.

Elione Silva Guimarães, Terra de Preto: usos e ocupação da terra por escravos e libertos, Niterói: EDUF, 2009.

Eugene D. Genovese, A Terra Prometida. O mundo que os escravos criaram. Tradução de Maria Inês Rolim e Donaldison Magalhães Garshagen, Rio de Janeiro: Paz e Terra/Brasília: CNPq, 1988.

Flávio dos Santos Gomes, Histórias de Quilombolas: mocambos e comunidades de senzalas no Rio de Janeiro - século XIX, Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1995.

Francisco Vidal Luna e Iraci Del Nero Costa, Minas Colonial: Economia e Sociedade, São Paulo: FIPE/Pioneira, 1982.

Jacques Le Goff, História e Memória, Tradução de Bernardo Leitão. Campinas: Unicamp, 2003.

Hebe Maria Mattos, Laços de família e direito no final da escravidão. In: Luiz Felipe de Alencastro (Org.), História da Vida Privada no Brasil. Império: a corte e a modernidade nacional, São Paulo: Companhia das Letras, 1997. Vol. 2.

João Luiz Pinaud, Senhor, direito e justiça. In: et al. Insurreição Negra e Justiça, Rio de Janeiro: Expressão e Cultura/Ordem dos Advogados do Brasil-RJ: 1987.

Kátia M. de Q. Mattoso, Ser Escravo no Brasil, São Paulo: Brasiliense, 1990.

Márcia M. Menendes Motta, Nas Fronteiras do Poder: conflitos e direito a terra no Brasil do século XIX, Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 1998.

Maria Yedda Leite Linhares, “O Brasil no século XVIII e a Idade do Ouro: a propósito da problemática da decadência”, in Seminário sobre a cultura mineira no período colonial, Belo Horizonte, Conselho Estadual de Cultura de Minas Gerais, 1979.

Monica Ribeiro de Oliveira, Negócios de Família: mercado, terra e poder na formação da cafeicultura mineira – 1780-1870, Niterói: Universidade Federal Fluminense: 1999. (Tese de doutorado)

Pierre Bourdieu, A Economia das Trocas Simbólicas. Tradução de Sérgio Miceli, Silvia de Almeida Prado, Sônia Miceli e Wilson Campos Viera, São Paulo: Perspectiva, 2003.

Robert Slenes, “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta do Brasil, in: Revista da USP, São Paulo, n. 12, p. 48-67, dez. /jan. /fev. 1991-1992.

Robert Slenes, The Demografphy and Economics of Brazilian Slavery, Stanford University, 1976.

Sidney Chalhoub, Visões da Liberdade. Uma história das últimas décadas da escravidão na Corte, São Paulo: Companhia das Letras, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.9771/aa.v0i59.25694

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


    Afro-Ásia. Salvador, Bahia, Brasil 0002-0591/1981-1411