Diálogos Inverossímeis: imagens do negro na poética utópica de Modesto Brocos Y Gomez (1852 – 1936)

Heloisa Selma Fernandes Capel

Resumo


Este artigo objetiva discutir a poética utópica do pintor espanhol radicado no Brasil Modesto Brocos y Gomez (1852-1936). Sob uma perspectiva cultural, pretende identificar na produção imagética e textual do autor, elementos que se depreendem dos significados de sua obra, bem como de sua construção cultural. Por meio de múltiplas clivagens entre a ideia e o gênero utópico, entre a sociedade do final do século XIX e as representações do pintor, objetiva investigar formas e motivos culturais que atuam à revelia do autor, ao mesmo tempo em que dialogam com interesses e posições assumidas no texto e na recepção de suas expressões artísticas. O esforço parte do princípio que um tratamento “cultural do social” seria necessário para compreender as complexas relações que atuam na produção e recepção das utopias de Brocos sobre a população negra, em confronto com pensamentos e ideias circundantes nos meios artísticos e políticos brasileiros do final do século XIX. 


Palavras-chave


utopia, história cultural, Modesto Brocos, eugenia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9771/1981-1411afro-ásia.v0i51.17654

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


    Afro-Ásia. Salvador, Bahia, Brasil 0002-0591/1981-1411